Fotos do carregamento mostram uma fileira composta por 75 presas inteiras e cerca de 338 pedaços menores de marfim descobertos com os traficantes


 

Elefante do sexo masculino é visto na Reserva Singita Grumeti, na Tanzânia | Foto: REUTERS/Baz Ratner
Elefante do sexo masculino é visto na Reserva Singita Grumeti, na Tanzânia | Foto: REUTERS/Baz Ratner

A demanda por marfim de países asiáticos como China e Vietnã, onde o material é transformado em joias e ornamentos, impulsionou o aumento da caça em toda a África.

A população de elefantes na Tanzânia, famosa por suas reservas da vida selvagem, passou de 110 mil em 2009 para apenas 43 mil em 2014, segundo um censo de 2015, declínio que os grupos de conservação atribuem a caça. O governo diz que os números começaram a se recuperar.

Hamisi Kigwangalla, ministro de Recursos Naturais e Turismo, disse em sua conta do Twitter na quarta-feira (04) que o marfim foi recuperado depois que as autoridades prenderam o suspeito caçador Hassan Shaban Likwema, também conhecido pelo apelido de Hassan Nyoni.

“A prisão de Nyoni nos levou a um estágio em que podemos finalmente dizer que temos em custódia todos os caçadores de nossa lista de procurados, exceto alguns que deixaram o país”, disse Kigwangalla a Reuters.

“A remessa de Nyoni e de seus cúmplices vale 4 bilhões de xelins (1,74 milhão de dólares) e envolveu a morte de cerca de 117 elefantes desde 2015 e anos anteriores”, disse ele.

Nem Likwema nem seus cúmplices estavam acessíveis para comentar, segundo a Reuters.

As fotos que Kigwangalla postou em sua conta no Twitter mostraram o ministro inspecionando uma fileira composta por 75 presas inteiras e cerca de 338 pedaços menores de marfim.

O governo disse em julho que seus esforços contra a caça levaram a uma recuperação no número de elefantes, que subiram para mais de 60 mil atualmente.

Em fevereiro, um tribunal da Tanzânia condenou uma importante empresária chinesa apelidada de “Rainha do Marfim” a 15 anos de prisão por contrabandear as presas de mais de 350 elefantes para a Ásia, marcando uma grande vitória para o governo e para os animais.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.