AVANÇO

Suíça está prestes a proibir as fazendas de criação de animais em escala industrial

A votação foi possível depois que os peticionários coletaram o mínimo estabelecido de 100 mil assinaturas necessárias para colocar uma medida em discussão.

A votação foi possível depois que os peticionários coletaram o mínimo estabelecido de 100 mil assinaturas necessárias para colocar uma medida em discussão


 

Foto: STUDIO PEACE/SHUTTERSTOCK
Foto: STUDIO PEACE/SHUTTERSTOCK

Animais não são produtos para serem explorados e vendidos, os porcos, vacas, ovelhas e tantos outros seres que são criados para consumo e proveito humano, passam a maioria de suas vidas fechados em espaços mínimos, vítimas das maiores crueldades, apenas aguardando a morte. Mas na Suíça as coisas estão prestar a mudar: a população do país votará a proibição da criação de animais em escala industrial.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A Suíça está considerando uma proibição da criação de animais em escala industrial depois que ativistas reuniram mais de 100 mil assinaturas pedindo ao governo que a medida fosse tomada.

Os defensores da proibição argumentam que a atividade está intrinsecamente ligada ao bem-estar animal.
A pecuária também contribui para as mudanças climáticas, escassez de água e problemas de fome.

“A Suíça importa 1,2 milhão de toneladas de ração animal a cada ano para produzir a quantidade necessária de produtos de origem animal”, disse Vera Swerin – presidente da Fundação Franz Weber, uma organização que trabalha para proteger o planeta com exposições e lobby ao site swissinfo.ch.

Mais pesquisas estão descobrindo o impacto da criação de animais em escala industrial no planeta. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) nomeou a carne “o problema mais urgente do mundo” em setembro.

“Nosso uso de animais como tecnologia de produção de alimentos nos levou à beira da catástrofe”, afirmou o PNUMA em comunicado. “A pegada de gases de efeito estufa da pecuária rivaliza com a de todos os carros, caminhões, ônibus, navios, aviões e foguetes juntos”.

“Sofrimento inaceitável”

A iniciativa “No factory farming in Switzerland” (Sem Criação de Animais em Escala Industrial na Suíça”, lançada em junho de 2018. Tem como objetivo acabar com a pecuária intensiva, alterando o artigo 80º da Constituição Federal.

Foto: 80000hours.org
Foto: 80000hours.org

Silvano Lieger, co-diretor da Sentience Politics, disse ao Livekindly: “O fato de termos conseguido colocar em votação essa iniciativa tão rapidamente mostra o quanto as pessoas na Suíça se preocupam com os animais. A maioria deles não tem conhecimento da quantidade significativa de indivíduos que ainda estão sendo criados em condições insuportáveis”.

“A criação de animais com objetivos comerciais é inaceitável – e devemos usar o poder da democracia direta para também torná-la ilegal”, acrescentou Lieger.

Suíça e os direitos animais

O público suíço também deve votar se testes em animais de produtos vendidos no país devem ser permitidos. A votação foi possível depois que os peticionários coletaram o mínimo estabelecido de 100 mil assinaturas necessárias para colocar uma medida em discussão.

Ano passado, a Suíça tornou ilegal a fervura de lagostas vivas e todos os outros crustáceos devido a preocupações com o bem-estar dos animais.

Recentemente, foi relatado que 2,6 milhões de suíços – ou 31% da população – estão reduzindo ou reduziram totalmente o consumo de carne.

O governo suíço ainda não definiu uma data para a votação nacional de uma proibição total da criação de animais em escala industrial.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui