Pássaro encontrado com anzol no estômago é devolvido à natureza após cirurgia

Foto: Divulgação/Parque das Aves

A ave foi encontrada com uma linha de pesca dentro do corpo, saindo pelo bico. Um exame de radiografia identificou um anzol no estômago do animal


Um martim-pescador-grande foi devolvido à natureza após ser resgatado com um anzol no estômago. O animal, que vive no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu (PR), estava com uma linha de pesca dentro do corpo, saindo pelo bico, quando foi encontrado pela Polícia Ambiental. O anzol foi descoberto através de um exame de radiografia.

Foto: Divulgação/Parque das Aves

Após ser resgatado, o animal foi operado por especialistas do Parque das Aves. Recuperado, ele foi solto no Rio Iguaçu.

A suspeita da chefe da Divisão de Veterinária do parque, Ligia Oliva, é de que a ave tenha engolido o anzol após se alimentar de um peixe fisgado por pescadores. Ao G1, Ligia informou que a remoção do anzol através do bico do pássaro não foi possível devido a possibilidade de gerar lesões viscerais. A cirurgia, embora delicada, foi necessária para garantir a sobrevivência do martim.

Os hábitos da espécie foram levados em consideração no momento da soltura, realizada pela Polícia Ambiental. Animais diurnos devem ser devolvidos à natureza de manhã e os que são noturnos precisam ser soltos no final da tarde, segundo a bióloga Katlin Fernandes. O martim-pescador-grande foi levado ao rio no período da manhã.

Embora seja comum em todas as regiões brasileiras, a ave vive principalmente na Mata Atlântica, de acordo com especialistas.

Foto: Divulgação/Parque das Aves

Parque das Aves

Além de resgatar aves encontradas em situação de risco, o parque atende pássaros resgatados pela polícia na região de Foz do Iguaçu.

De acordo com a direção do parque, mais de 120 aves mantidas em cativeiro e vítimas do tráfico do animais foram atendidas no local no primeiro semestre de 2019.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui