Maltratado e sob intenso estresse, elefante reage e fere 18 pessoas em festival religioso

Cercados por barulhos aos quais não estão acostumados, multidões, som alto, carros, os animais ainda carregam luzes e ornamentos sobre o corpo enquanto são obrigados a desfilar em procissões


 

Foto: Derana TV
Foto: Derana TV

Elefantes são animais selvagens, acostumados a viver em grupos com hierarquia social, e estrutura de família, estes mamíferos gigantes criam vínculos entre si e sua manada caminha por longas distâncias na natureza.

Subordinar um elefante à vontade humana, enchendo-o de adereços pesados e obrigando-o a desfilar por horas carregando humanos nas costas no meio de multidões é explorar e maltratar esses gigantes gentis.

Não é de se admirar que pressionado pelo stress, barulho, sofrimento e maus-tratos, esse elefante tenha se revoltado com seu destino e iniciado uma fuga desesperada ferindo quem estivesse em seu caminho.

Mais de uma dúzia de participantes do festival ficaram feridos após um elefante que participava de uma procissão budista no Sri Lanka entrou em tumulto.

A procissão que acontecia em Kotte, perto da capital do país, começou com um ministro do governo colocando uma relíquia sagrada em um caixão decorado em cima de um elefante enfeitado com roupas vermelhas brilhantes.

Mas rapidamente o ritual se tornou um desastre, quando o elefante avançou para a multidão, fazendo com que alguns dos adoradores aterrorizados corressem diretamente para outro que depois disso ficou aterrorizado também.

Imagens mostraram que um homem montado nas costas do elefante por pouco evita ser pisoteado depois de ser derrubado quando o enorme animal se dirige diretamente para a multidão.

Autoridades de dois hospitais da região disseram que 18 pessoas feridas foram trazidas após o tumulto, incluindo mulheres e pelo menos duas crianças, e 16 deles já tiveram alta.

Foto: Derana TV
Foto: Derana TV

O acidente é mais um flagrante de crueldade animal relacionada aos elefantes no Sri Lanka, depois que fotos surgiram no mês passado, mostrando uma elefanta esquelética de 70 anos forçada a vestir um traje enorme e colorido, para esconder seu corpo magro e judiado.

Segundo a Fundação Save Elephant, Tikiri foi um dos 60 elefantes forçados a trabalhar por 10 noites seguidas no festival budista Esala Perahera em Kandy.

Foto: Derana TV
Foto: Derana TV

O fundador da organização, Lek Chailert, disse em um post nas redes sociais no Dia Mundial do Elefante: ‘Ninguém via seu corpo esquelético ou sua condição enfraquecida, por causa da roupa que ela usou.

“Ninguém via as lágrimas em seus olhos, feridos pelas luzes brilhantes que decoravam sua máscara, ninguém via sua dificuldade de andar enquanto suas pernas estão presas para que ela caminhe.”

Foto: Saengduean Lek Chailert
Foto: Saengduean Lek Chailert

Um porta-voz da Relíquias do Dente Sagrado, um templo budista que recebe o festival, disse anteriormente ao Metro que “sempre se preocupa com os animais” e confirmou que Tikiri havia sido examinada por um médico especialista em elefantes.

Foto: Saengduean Lek Chailert
Foto: Saengduean Lek Chailert

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui