Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

O atleta vegano Lewis Hamilton usou as redes sociais para criticar severamente a indústria de caça a troféus da África do Sul.

Hamilton tem sido muito ativo nas mídias sociais nesta semana, compartilhando sua opinião sobre a caça. Em seu Instagram Stories de sexta feira (06), o piloto compartilhou um post sobre a girafa negra morta por uma caçadora na África do Sul em junho de 2018.

A publicação – compartilhada na conta do Instagram @natures – disse que o evento cruel levantou questões sobre girafas sendo caçadas como troféus.

O evento, amplamente divulgado, causou revolta e indignação do público devido ao enorme declínio da população de girafas – 40% nos últimos 30 anos, de acordo com a Humane Society International – e à ausência de qualquer sentimento de culpa da caçadora do Kentucky (EUA). “Ela não demonstrou nenhum remorso por ter matado essa linda criatura”, dizia o post.

Em uma entrevista à CBS, a caçadora disse que transformou a girafa morta em comida, almofadas decorativas e uma caixa para guardar armas. Ela disse ainda que “acredita que os animais foram colocados aqui para uso humano” e pretende continuar caçando “em nome da conservação”.
A indústria sul-africana de caça aos troféus é legalizada e lucrativa, explica o post, gerando cerca 2 bilhões de dólares por ano.

Lewis Hamilton pelos direitos animais

Hamilton não falou apenas da caça aos troféus. No início desta semana, o atleta vegano também compartilhou um post de conscientização sobre a caça de rinocerontes para seus 12,6 milhões de seguidores. Ano passado, dizia o post, 1.100 rinocerontes foram mortos por caçadores na África.

O chifre de rinoceronte – feito de queratina, assim como os cabelos e unhas humanos – é valorizado em certas formas da medicina tradicional, dizia o post, explicando que a caça é um negócio sangrento para todos os envolvidos.

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

“Precisamos deixar claro que a demanda por chifres de rinoceronte não está apenas custando a vida do rinoceronte, mas também a vida daqueles que dedicam suas vidas a protegê-los”.

Hamilton também criticou a caça às baleias nas Ilhas Faroe, na Dinamarca. A caça anual, que ocorre ao largo da costa das ilhas, encurrala as baleias levando-as para a baía para mata-las. “Como é possível que algum desses humanos esteja parado ali pensando que está tudo bem?”, Escreveu Hamilton. “Isso não está certo de maneira nenhuma, definitivamente. Isso é horrível e as autoridades da Dinamarca, precisam acabar com isso!”.

O atleta vegano também falou sobre a nova cota de baleias da Islândia divulgada no início deste ano. A ilha nórdica anunciou que não caçaria baleias pela primeira vez em 17 anos em junho passado, mas a prática será retomada no próximo ano.

“Este é um movimento decepcionante e míope dos líderes políticos do país”, disse Hamilton sobre a decisão de continuar a caça às baleias. “Como os maiores mamíferos marinhos, as baleias desempenham um papel crítico em manter nossos oceanos saudáveis. Eles impedem a superpopulação de espécies, regulam os sistemas alimentares e combatem as mudanças climáticas”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.