Justiça concede a gato direito de circular por galeria comercial no RJ

Foto: Reprodução / TV Globo

Um abaixo-assinado que pedia que a Justiça autorizasse a permanência do gato na galeria teve 15 mil adesões


A Justiça concedeu a um gato o direito de circular por uma galeria comercial em Copacabana, no Rio de Janeiro, após o tutor do animal, o lojista Pedro Duarte Correia, ser proibido de deixar Rubinho solto no local.

Foto: Reprodução / TV Globo

O gato foi adotado pelo lojista e há anos andava pela galeria. No entanto, a administração do local proibiu os passeios de Rubinho em abril do ano passado. Indignado, Pedro acionou a Justiça.

“Eu fiquei muito deprimido. O gato não poder andar?”, disse Pedro ao G1.

Em setembro de 2018, o direito do animal passear pelos corredores da galeria foi concedido por meio de uma tutela de urgência. Nesta quinta-feira (19), porém, uma nova decisão proferida juíza Márcia Correia Hollanda, da 47ª Vara Cível do Rio de Janeiro, confirmou a sentença, reafirmando o direito de ir e vir de Rubinho.

“Aqui na galeria conseguimos 15 mil nomes em um abaixo-assinado”, lembrou Pedro. “Um casal de advogados se interessou pela causa e entrou na Justiça”, emendou.

“Tem gente que vem aqui todo dia para ver o Rubinho”, concluiu.

Em sua decisão, a magistrada usou uma citação retirada do livro “A Insustentável Leveza do Ser”, de Milan Kundera. Segundo ela, o trecho cai como uma luva à hipótese dos autos, “pois legitima a defesa do autor e de seus apoiadores no âmbito jurídico”.

“‘…a verdadeira bondade do homem só pode manifestar-se em toda a sua pureza e em toda a sua liberdade com aqueles que não representam força nenhuma. O verdadeiro teste moral da humanidade (o teste mais radical, aquele que por se situar a um nível tão profundo nos escapa ao olhar) são as suas relações com quem se encontra à sua mercê: isto é, com os animais. E foi aí que se deu o maior fracasso do homem, o desaire fundamental que está na origem de todos os outros’ (Milan Kundera, in “A Insustentável Leveza do Ser”)”, citou a juíza.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui