O conselho do bairro de Islington, em Londres (Inglaterra), baniu o comércio de peles. A proibição entrará em vigor no dia primeiro de outubro e afetará fornecedores do comércio no Reino Unido.

Uma fileira de casacos de pele pendurados em cabides
Foto: Adobe

O chefe de negócios de Islington, Cllr Asima Shaikh, disse ao Islington Gazette que é impossível saber a ética dos métodos utilizados para a extração de peles. “Acreditamos que o conselho deve trabalhar duro para enfrentar este comércio brutal e terrível”, afirmou ele.

A decisão foi bem vista por ativistas em defesa dos direitos animais. “Aplaudimos o conselho de Islington por se tornar o primeiro bairro de Londres a tomar ações decisivas para interromper a venda de produtos que causam muito sofrimento aos animais”, parabenizou Claire Bass, diretora da ONG Humane Society International (Sociedade Humana Internacional).

“A decisão foi claramente motivada pela compaixão e mostra os valores que refletem a opinião da grande maioria dos moradores de Islington, que rejeitam o comércio desnecessário e cruel das peles”, continuou, acrescentando que a ONG espera que o governo siga a proibição e se movimente para proibir o comércio em todo o Reino Unido.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.