SAUDADE

Gata visita casa vizinha todos os dias procurando pela amiga cachorra que morreu

Gracie e Baby Grey dividiam os tomates, tomavam banho de sol juntas e era as melhores amigas, nem a morte precoce de Gracie, causada por um câncer, foi capaz de impedir a gatinha de procurar a amiga

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

Já passou um ano desde que Gracie, a melhor amiga de Baby Grey, faleceu, mas a gata ainda aparece para as datas programadas de brincadeira entre as duas.

Como um relógio, Baby Grey entra no quintal e ficar de pé na porta de correr, aparentemente esperançosa de que sua amiga venha correndo para encontrá-la no vidro como sempre fez. Lá, ela espera, às vezes por 20 minutos, às vezes mais.

A tutora de Gracie, Shea Belew Brennaman, professora da quarta série em Decatur, Alabama, nos Estados Unidos, notou pela primeira vez a misteriosa gata visitando seu quintal há dois anos e meio. “Eu acho que ela vive há dois quarteirões de nós e eu não sei o nome”, disse Brennaman ao The Dodo. “Eu e minha família apenas nos referimos a ela como Baby Grey.”

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

Quando Baby Gray entrou pela primeira vez no cercado do quintal de Brennaman, ela foi recebida por Gracie, uma cachorrinha mais interessada em fazer amigos do que assustar intrusos.

“Gracie ficava no quintal quase o tempo todo”, disse Brennaman. “Ela amava a natureza e, enquanto ela era uma protetora de nossa casa, ela amava todos os outros animais e eles a amavam também”.

Gracie era amiga de todos em sua propriedade, dos esquilos e coelhos até os falcões, e estava ansiosa para aprender mais sobre a visitante mais nova.

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

“Gracie aceitou-a em nosso jardim imediatamente e as duas se tornaram amigas rapidamente”, disse Brennaman.

Com o tempo, as visitas de Baby Grey tornaram-se mais frequentes. Gracie sempre foi uma anfitriã generosa quando sua amiga felina apareceu – e parecia que os dois animais tinham encontrado um no outro um espírito semelhante.

“Nós deixamos os tomates Gracie na nossa varanda, já que eles eram seu petisco favorito, e ela os compartilhava com a gata”, disse Brennaman, “o que era uma atitude especial, porque Gracie era muito ciumenta em compartilhar comida”.

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

“Quando Baby Grey começou a vir com frequência, as duas compartilharam tomates e tomavam sol juntas”, disse ela. “O banho de sol era a atividade favorita absoluta das duas.”

Enquanto Brennaman se maravilhava com o estreito relacionamento dos animais, isso parecia condizente com a personalidade da cachorrinha. Gracie faria qualquer coisa por seus amigos e familiares – incluindo salvar Brennaman de um ataque de uma cobra d’água quando ela era apenas um filhote de cachorro de 8 meses de idade.

“Ela tinha uma personalidade doce”, observou Brennaman. “Gracie era uma amiga para todos e era muito maternal, especialmente com o nosso Yorkie.”

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

No final de outubro de 2017, logo após o 12º aniversário de Gracie, Brennaman notou que a cachorrinha emagreceu dramaticamente. Uma visita ao veterinário e numerosos testes e raios-X revelaram a causa: Gracie tinha um linfoma agressivo.

“Gracie passou a maior parte de seus dias restantes na varanda fria”, disse Brennaman. “Acho que parte disso lhe deu alívio, mas, na verdade, ela estava se despedindo de seu território e de todos os amigos que fez em seu quintal.”

E, com certeza, Baby Gray estava lá.

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

“Baby Grey veio vê-la várias vezes em seus últimos dias e, enquanto não estavam comendo tomates, as duas apenas deitavam lá para estar uma com a outra”, acrescentou ela. “Elas tinham esse tipo de conexão onde nada precisava ser dito ou feito. Eles só queriam estar uma com a outra.

Gracie faleceu em novembro de 2017, menos de um mês depois de ter sido diagnosticada com câncer. E, embora a morte da cachorrinha tenha sido difícil para todos, Baby Grey parece estar lidando com a dor dela mantendo um tipo especial de vigília para sua amiga.

Isso, ou ela se recusa a acreditar que o cachorrinha realmente se foi.

 Foto: Shea Belew Brennaman
Foto: Shea Belew Brennaman

“Desde a morte de Gracie, várias vezes por semana, Baby Grey vem para a nossa varanda”, disse Brennaman. “Ela aparece primeiro na porta e procura por Gracie. Eu não sei quanto tempo ela aguarda, às vezes ela espera por 20 minutos e depois vai embora para a varanda onde vai sentar um pouco antes de finalmente se deitar e tomar sol. ”

Brennaman chegou a esperar as visitas continuadas de Baby Grey, e embora ela odeie ver a pequena gata sofrendo, ela inspira alguns sentimentos edificantes também.

“Meu coração parte ao ver Baby Grey ainda procurando por Gracie”, acrescentou Brennaman, “mas ao mesmo tempo me dá tanta esperança ao notar quão forte é a ligação entre esses dois animais”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui