CATIVEIRO

Especialistas investigam morte de panda em zoo na Tailândia

A morte inesperada foi criticada por usuários nas redes sociais, que culparam a instalação

Especialistas chineses estão viajando para investigar a morte inesperada de um panda em um zoológico da Tailândia.

O panda comendo bambu enquanto é observado por pessoas
Foto: Thai PBS

Chuang Chuang, o panda, entrou em colapso e morreu aos 19 anos, depois de comer um bambu. 

Um porta-voz do zoológico comunicou à Reuters que os especialistas chineses do Centro de Conservação e Pesquisa da China para o Panda Gigante chegarão nesta semana. 

A morte do animal causou alvoroço na China – país onde Chuang Chuang nasceu – e uma hashtag foi criada na rede social Weibo para falar sobre o assunto. Muitos culparam o zoológico tailandês e questionaram a qualidade dos alimentos servidos no local.

Por favor, não alugue mais pandas para a Tailândia! Não!”, disse um dos usuários da rede social. A China costuma comercializar a espécie por meio de empréstimos a outros países. “Chuang Chuang é provavelmente o panda mais amargo do mundo! Que tipo de bambu ele recebeu? Se você não puder bancar um panda, não o alugue”, acrescentou.

“Agora Chuang Chuang se foi. Não adianta dizer nada. Se você não pode cuidar de nossos tesouros nacionais, não os tome emprestados. Estou muito triste”, disse outro usuário.

Chuang Chuang vivia com sua companheira, Lin Hui, com quem teve um filhote em 2009. Alguns demonstraram preocupação por ela. “Chuang Chuang já perdeu sua vida. Por favor, envie Lin Hui para casa”, pediu uma pessoa.

Segundo a organização WWF, a expectativa dos pandas em cativeiro é 30 anos.

Nota da Redação: Em cativeiro, os animais não conseguem realizar comportamentos básicos que realizariam na natureza. Frequentemente eles ficam estressados psicologicamente, além de depressivos e doentes. Os animais, assim como nós, merecem ser livres – e os zoológicos nunca suprirão suas necessidades naturais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui