A existência de concursos que ensinam crianças a matarem animais silvestres pode parecer completamente irreal para àqueles que amam os animais, mas eles são reais.

Uma raposa sentada em uma rocha
Foto: Christopher Gardiner/Shutterstock

O estado da Dakota do Sul, nos Estados Unidos, administra um programa que paga crianças para matarem animais como gambás, guaxinins, texugos e raposas. Nova Jersey também possui uma caçada cruel, onde as crianças aprender a capturar e esfolar esquilos. Existem vários concursos como estes, onde as pessoas matam os animais como se não fossem nada mais que um prêmio.

Até recentemente, a Califórnia, Vermont e Novo México eram os únicos estados a proibirem a prática cruel. Mas outro estado está avançando nas leis: o Arizona também proibiu os concursos no dia 4 de setembro.

“Os participantes dos concursos que matam os animais silvestres são assassinos de vida selvagem. Eles são pessoas que se divertem ao matar um grande número de animais selvagens, em competições feitas apenas para isso”, disse Lain Kahlstrom, diretor de Assuntos Estaduais da Animal Wellness Action (Ação de Bem-Estar Animal).

A proibição é um marco muito grande para o fim da prática, visto que o Arizona realizava no mínimo 23 concursos deste tipo a cada ano.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.