Em março de 2018 mais de 50 cães foram brutalmente mortos em Igaracy (PB). Investigações do Ministério Público concluíram que os cachorros foram espancados com pedaços de pau


O advogado Francisco José Garcia, que coordena o Núcleo de Justiça Animal da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), cobrou respostas da Justiça e do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) sobre a matança de mais de 50 cachorros em Igaracy (PB).

Cães foram covardemente mortos pela prefeitura de Igaracy (PB) (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

As mortes, que aconteceram em 6 de março de 2018, geraram revolta em todo o país. As informações são do portal Paraíba.

“Já estamos há mais de um ano que o Conselho Regional de Medicina Veterinária não marca audiência para julgar esse processo ético”, disse o advogado. “No caso da Justiça, foram ouvidas todas as testemunhas e as provas, como vídeos e documentos, já foram analisados. Mas até agora, nove meses depois, não houve nenhuma decisão”, comentou Garcia sobre a ação penal que tramita na 2ª Vara do Fórum da cidade de Piancó.

Investigações do Ministério Público Estadual concluíram que os cachorros foram mortos a paulada. O caso ficou conhecido como a “Chacina de Igaracy”.

Na época, o secretário de saúde da prefeitura foi afastado do cargo por suspeita de envolvimento na matança. Na ocasião, ele justificou que os cães estavam em situação de rua, eram bravos e estavam doentes. A exoneração do secretário foi requisitada pelo Ministério Público ao prefeito José Carneiro Almeida da Silva.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.