Mais de 80 tigres que eram explorados para entretenimento humano morrem após resgate


Os tigres morreram em instalações do governo tailandês, onde viviam desde 2016, quando foram resgatados


Oitenta e seis tigres de 147 que foram resgatados do Templo dos Tigres, na Tailândia, onde eram explorados para entretenimento humano, morreram três anos depois do resgate. De acordo com o governo tailandês, que ficou responsável pelos animais, uma doença viral agravada pelo endocruzamento dos tigres foi a causa das mortes.

Foto: Dario Pignatelli/Getty

O Wat Pa Luangta Bua Yannasampanno, como é chamado o Templo dos Tigres, explorou esses animais para entretenimento humano durante anos. No local, turistas tiravam fotos ao lado dos tigres e davam mamadeira aos filhotes. Tais atividades chegaram ao fim após uma denúncia da organização australiana Cee4Life e da National Geographic indicar maus-tratos e aceleração na reprodução dos tigres para que partes de seus corpos fossem fornecidas ao tráfico.

Com as denúncias, a pressão pública contra o templo aumentou e, em 2016, os tigres foram resgatados e colocados sob custódia governamental.

Para Sybelle Foxcroft, cofundadora da Cee4Life, as mortes dos 86 tigres não foi uma surpresa. Em 2007, ela começou a investigar o templo como parte de sua tese de mestrado. Em 2016, ela se uniu à National Geographic para colaborar na denúncia contra o local. As informações são da National Geographic.

Foxcroft conta que visitou o templo e viu animais com sinais de danos neurológicos severos causados por doenças. Ela acredita que as enfermidades vieram da época em que os animais viviam no templo e não foram adquiridas nas instalações do governo.

Foto: Steve Winter / Nat Geo Image Collection

“Um tigre em particular, Mek Jnr, mostrou sintomas severos em 2015 quando esbarrava em paredes, com as patas traseiras debilitadas e desorientado em alguns momentos”, escreveu Foxcroft em uma nota publicada no site da Cee4Life.

“Novamente, eu escrevi publicamente sobre Mek Jnr e praticamente implorei para o Templo dos Tigres ajudá-lo, mas eles ignoraram e disseram que ele estava bem. Ele estava longe de estar bem e acabaria morrendo em agonia”, completou.

“Eu também sei que se o Templo dos Tigres tivesse continuado, e os tigres não fossem resgatados, ainda teriam morrido da mesma doença, mas a diferença seria que o Templo dos Tigres teria esfolado os corpos mortos e usado partes do corpo para vender”, reforçou.

Um cuidador do templo, porém, alega que as mortes foram causadas devido a condições precárias do abrigo governamental. Um desses fatores, conforme explicou Athithat Srimanee à Reuters, seriam jaulas pequenas.

Foto: Steve Winter / Nat Geo Image Collection

O presidente da Fundação Born Free, que luta contra o cativeiro de animais silvestres, pede que investigações sobre o caso sejam feitas. “A morte de mais da metade dos tigres resgatados do Templo dos Tigres em apenas poucos anos é, francamente, escandalosa”, diz Will Travers. “Requer uma investigação completa e independente reportada ao gabinete do primeiro-ministro, e as descobertas deveriam ser colocadas em domínio público”, acrescentou.

Os tigres estão vivendo, desde 2016, em dois santuários de vida selvagem administrados pelo governo tailandês. À imprensa, o Departamento de Parques Nacionais e Conservação da Fauna e Flora da Tailândia alegou que a causa das mortes dos animais foi paralisia da faringe, doença provavelmente agravada pelo fraco sistema imunológico do animal endogâmico. Foram relatadas ainda complicações sofridas por alguns animais por conta da cinomose, doença que atinge cães, mas que também pode vitimar tigres.

Em depoimento, o governo afirmou que continua cuidando dos 61 tigres sobreviventes e que os mantêm em condições seguras para reduzir seu estresse. Disse também que exames regulares são feitos nos animais, mas não fez qualquer menção à possibilidade de transferir os tigres para outro local.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTELIONATO

MALDADE

ESTADOS UNIDOS

FEBRE AMARELA

REVERSÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>