Zoo americano é processado por maus-tratos aos elefantes em cativeiro


Há mais de quarenta anos vivendo no zoo e treze anos completamente sozinha, a elefanta Happy amarga seus dias em um cativeiro enquanto Patty, o outro elefante, sofre da mesma forma em outro compartimento no mesmo parque


 

Foto: Defense of Animals
Foto: Defense of Animals

A elefanta Happy, de 48 anos, vive presa no zoológico do Bronx, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, há mais de 40 anos e está sozinha há 13 anos. Ela foi capturada quando ainda era apenas um bebê na Tailândia no início dos anos 70.

Manter elefantes em cativeiro é um ato de extrema crueldade com esses animais que precisam percorrer até 64 quilômetros por dia, praticar exercícios constantes, brincar, banhar-se em lagos e conviver com os demais. Mas em cativeiro, eles estão confinados a um recinto e privados de seu habitat e da liberdade. E como se o cativeiro não fosse terrível o suficiente para os elefantes, Happy e outro elefante chamado Patty são mantidos em isolamento no zoológico do Bronx.

Há muito tempo, ativistas pelos direitos animais lutam pela liberdade de Happy e pedem que o zoológico a envie para um santuário. Eles se recusaram a liberar o animal há muito tempo e, de acordo com In Defense of Animals (IDA), o zoológico também esconde informações sobre a saúde e o bem-estar dos elefantes.

Por este motivo a IDA apresentou uma petição ao abrigo citando o artigo 78 contra o Departamento de Assuntos Culturais da cidade de Nova York (DCLA) e a Sociedade de Conservação da Vida Selvagem (WCS) para “acessar registros médicos e outras informações relativas aos elefantes em cativeiro do zoológico do Bronx”.

Matthew Hamity, da AID, disse ao One Green Planet: “O zoológico do Bronx mantém dois elefantes separadamente em confinamento solitário e se recusa a fornecer informações sobre o efeito que está causando na saúde e no bem-estar deles. As informações sobre Happy e Patty pertencem legalmente ao domínio público: o Departamento de Assuntos Culturais da Cidade de Nova York e a Sociedade de Conservação da Vida Selvagem não têm motivos para esconder nada do público”.

O zoológico do Bronx nem mesmo atende aos requisitos mínimos estabelecidos pela Associação de Zoológicos e Aquários de que pelo menos três elefantes morem juntos. A AID diz que Happy e Patty precisam se revezar usando o pequeno espaço ao ar livre que tem pouco mais de um hectare. Eles geralmente estão dentro do cativeiro coberto. Não é possível que um elefante viva assim.

Está provado que o cativeiro não é apenas prejudicial à saúde física dos elefantes, mas também pode levar a depressão e zoocose, uma doença que causa sofrimento mental severo, associada a movimentos compulsivos e repetitivos ou alienação (animal parado em frente a uma parede olhando para o nada). O zoológico do Bronx insiste que Happy e Patty estão indo bem, mas se recusam a compartilhar seus registros médicos.

Uma petição foi iniciada pedindo a liberdade a desses dois elefantes e seu envio a um santuário. Para assinar clique aqui.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

DESMONTE AMBIENTAL

ZOOFILIA

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE

CRISE ECONÔMICA

SINERGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>