Um rapaz deu um cigarro para um chimpanzé fumar no Santuário dos Grandes Primatas, em Sorocaba (SP), e filmou o ato. O vídeo (veja abaixo) viralizou em rede social. O caso de desrespeito não só ao animal, mas também ao trabalho realizado pelo santuário, que luta diariamente pela vida de primatas retirados, em sua maioria, de situação de exploração e maus-tratos, revoltou internautas.

Foto: Reprodução

As imagens mostram um jovem sem camisa conversando com outras pessoas e o chimpanzé com um cigarro aceso na boca. O grupo ri da situação e o rapaz faz piada. “Dá uns tragos, brother. Fumando um aqui com o brother”, diz o rapaz, debochando dos maus-tratos impostos ao animal. Na sequência, o rapaz filma a si mesmo e diz “ah lá, queimou o beiço”, ao se referir ao chimpanzé.

Ao saber do ocorrido, o santuário prontamente se posicionou e, após lembrar que realiza um importante trabalho de reabilitação de animais, afirmou que o responsável por dar o cigarro ao animal não pertence ao quadro de funcionários do local e que medidas cabíveis estão sendo tomadas.

“O santuário já está tomando todas medidas legais na esfera criminal e civil para punição dos responsáveis e reparação do dano causado à integridade dos animais ali residentes, uma vez que os autores do crime coagiram o chimpanzé, que é uma espécie ameaçada de extinção, a inalar substâncias tóxicas nocivas ao seu organismo”, informou a instituição.

A suspeita da direção do santuário é que o homem tenha usado um dos imóveis localizados no entorno da instituição para invadir o espaço e ter acesso aos animais.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Luisa mell (@luisamell) em

A Gerência de Comunicação do Projeto GAP Brasil/Internacional, ao qual o Santuário dos Grandes Primatas de Sorocaba é afiliado, divulgou nota sobre o assunto. Confira abaixo na íntegra.

O Santuário dos Grandes Primatas de Sorocaba, afiliado ao Projeto GAP, vem a público esclarecer que no dia 20/08/2019 tomou conhecimento dos crimes cometidos por um homem identificado como Rafael de Almeida, que em companhia de ao menos uma pessoa teria invadido o santuário. O santuário é uma propriedade privada dedicada à reabilitação de animais, em sua maioria vítimas de maus tratos e que são provenientes de circos e zoológicos do Brasil e de outros países.

Colocando em risco sua própria vida e a integridade física dos animais ali residentes, o autor do crime colocou um cigarro aceso na boca de um dos chimpanzés (estima-se que seja o chimpanzé Claudio ou Carlos), que é uma espécie ameaçada de extinção. No vídeo, Rafael de Almeida e o cúmplice riem e zombam da cena, gargalhando pelo fato do chimpanzé parecer ter queimado a boca com o cigarro. Durante o próprio vídeo o chimpanzé já começa a fazer movimentos repetitivos, mostrando estar estressado com o ocorrido.

Burlando a segurança da propriedade, provavelmente acessada por meio de outra propriedade aos fundos do Santuário, além do crime de invasão, os autores cometeram crime ambiental de maus tratos aos animais, fazendo-o inalar substâncias tóxicas nocivas ao seu organismo. O santuário já está tomando TODAS medidas legais na esfera criminal e civil para punição dos responsáveis e reparação do dano causado à integridade dos animais ali residentes.

Nota da Redação: o ato executado pelo homem que entrou no santuário e induziu o chimpanzé a fumar um cigarro configura crime de invasão de propriedade e crime ambiental. Expor um animal a risco, oferecendo a ele uma substância prejudicial a sua saúde, e debochar dos maus-tratos aos quais o submete, é de extrema antiética e crueldade e passível de punição severa – embora a lei brasileira não aplique tal penalidade no que se refere aos crimes contra animais, optando por punições brandas que reforçam a impunidade. Além disso, invadir um santuário para maltratar animais é, também, um imenso desrespeito com a instituição, que não poupa esforços para oferecer todos os cuidados necessários aos primatas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.