AMEAÇA

Especialistas alertam: girafas enfrentam uma extinção silenciosa

Os números da espécie caíram em até 40% nos últimos 30 anos devido a ameaças que incluem o comércio de partes do corpo das girafas, a perda de habitat, a caça e a guerra civil, disseram os conservacionistas

Mãe e filho vistos juntos nas planícies de Laikipia, Kenya | Foto: ROBERT MUCKLEY / GETTY
Mãe e filho vistos juntos nas planícies de Laikipia, Kenya | Foto: ROBERT MUCKLEY/GETTY

Conservacionistas estão se preparando para lançar uma iniciativa urgente para salvar as girafas da extinção.

Neste fim de semana, representantes de nações de todo o mundo se reunirão na Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES).

Medidas e esforços para proteger girafas, onças e lontras asiáticas estarão na agenda do encontro, os delegados também vão lançar uma proposta para combater o comércio internacional de animais selvagens.

Infelizmente o comércio internacional de novas espécies de tubarões não pode ser completamente parado porém medidas de regulamentação para melhorar a gestão das pescarias que capturam dezenas de milhões de tubarões por ano para suprir a demanda por barbatanas e carne serão discutidas.

E o comércio de marfim e chifres de rinoceronte também estará de volta à agenda.

A reunião vem na sequência de uma importante avaliação global da natureza, apoiada pela ONU, que alertou que cerca de um milhão de espécies estão em risco de extinção, com a exploração excessiva, incluindo caça e comércio, causando parte do problema.

Entre as propostas em discussão está uma proposta da República Centro-Africana, Chade, Quênia, Mali, Níger e Senegal para regulamentar o comércio de produtos de girafas, considerados vulneráveis à extinção.

No que foi descrito como uma “extinção silenciosa”, os números de girafas caíram em até 40% nos últimos 30 anos devido a ameaças que incluem o comércio de partes, bem como perda de habitat, caça e guerra civil, disseram os conservacionistas.

Matt Collis, diretor de política internacional do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), disse: “É importante que as girafas sejam listadas pela CITES porque atualmente não podemos dizer com certeza ‘quanto’ do seu enorme declínio populacional é devido ao comércio de partes do seu corpo”.

“Sabemos que esse é um fator significativo, já que o único país que atualmente coleta dados sobre o comércio de girafas, os EUA, registrou quase 40 mil itens de girafas negociados em uma década, de 2006 a 2015.”

Ele disse que listar a espécie no apêndice II. do tratado, regulamentaria o comércio de partes de girafas, e isso seria vital para impedir esse comércio ilegal e insustentável.

Foto: Msu.edu
Foto: Msu.edu

Os jaguares já têm o nível mais alto de proteção que as espécies do apêndice I que proíbem a maior parte do comércio internacional, mas há evidências de um crescente comércio ilegal da espécie em face da demanda por partes de grandes felinos na medicina tradicional.

E haverá um debate renovado sobre os elefantes com vários países africanos que buscam mudanças que lhes permitam vender seus estoques de marfim, a fim de apoiar uma maior conservação.

No entanto, outras nações africanas estão buscando uma contraproposta que mostre todas as populações de elefantes africanos listadas no apêndice I.

Collis alertou que as vendas antecipadas de marfim (apreendido) estimulam a caça oferecendo cobertura para vendas ilegais, o diretor afirmou ainda que era “não é uma maneira viável de lidar com a crise”.

Ele pediu que os países lidassem com seus próprios mercados domésticos para o marfim e fornecessem os recursos necessários para os principais países protegerem suas populações de elefantes no local.

Dois países africanos também querem relaxar as regras que protegem os rinocerontes para permitir o comércio de chifres, animais vivos e troféus de caça.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui