EMOCIONANTE

Elefantes explorados por circo separados por 22 anos se reencontram

Shirley e Jenny passaram por muita coisa juntas, uma ao lado da outra, durante os anos que foram exploradas no circo, mas as circunstâncias as separaram, porém o amor das duas nunca diminuiu

Imagem ilustrativa | Foto: Shutterstock
Imagem ilustrativa | Foto: Shutterstock

Dois elefantes do sexo feminino que foram explorados por um circo juntas, Shirley e Jenny, não haviam olhado um para o outro em mais de duas décadas. Quando as duas elefantas asiáticas finalmente ficaram cara a cara depois de todo esse tempo, a conexão entre elas foi imediata. A reunião das duas foi emocionante. Essa foi provavelmente a primeira vez que uma reunião emocional entre elefantes foi capturada em vídeo.

A reunião aconteceu na noite de 6 de julho de 1999, no The Elephant Sanctuary, no Tennessee, nos Estados Unidos. Fazia mais de duas décadas desde que Shirley e Jenny se conheceram no circo em um inverno de 1973. Na época, Jenny, uma elefantinha nascida selvagem em Sumatra em 1972, ainda era uma criança. Então, Shirley naturalmente assumiu o papel de mãe substituta para ela na nova e estranha terra.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Costuma-se dizer que “um elefante nunca se esquece”. É verdade. Quando Shirley e Jenny finalmente se reuniram após 22 anos de separação, as velhas amigas estavam tão determinados a se abraçar que até mesmo amassaram as barras de aço, que as mantinham separadas.

Depois que os guardiões abriram os portões de aço, Shirley permaneceu ao lado de Jenny. O par foi visto tocando ums a outro com suas trombas. Com as trombas entrelaçadas, os gritos de excitação das duas podiam ser ouvidos.

Todos os repórteres, cinegrafistas e outros que tiveram a sorte de testemunhar este momento precioso foram tocados pela cena, com muitos derramando lágrimas – especialmente o guardião que cuidara de Shirley durante todos esses anos.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Jenny veio para o Santuário de Elefantes em 1996, bastante doente, com cicatrizes sofridas por abuso no circo, de acordo com a Nature. Ela sofria de tuberculose. Além disso, ela tinha uma das pernas de trás aleijada causada por um elefante macho quando ela era explorada para reprodução na Hawthorn Corporation em Illinois, de acordo com o site The Elephant Sanctuary.

Shirley, que chegou ao santuário anos depois, em 1999, e ela talvez fosse a coisa mais próxima de uma família que Jenny jamais conheceria. Com Shirley ao seu lado, Jenny cencontrou algum conforto.

As velhas amigas frequentemente passam o tempo juntas com suas trombas enroladas uma na outra, tocando e, sem dúvida, relembrando juntas, após 22 anos de separação.

É incrível como os anos de separação não fizeram nada para diminuir sua forte amizade, como pode ser testemunhado em sua reunião no vídeo enviado pela EVOLVE Campaigns no YouTube.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“Tão surpreendentemente tocante – a história de Shirley e Jenny, dois elefantes aleijados reunidos no The Elephant Sanctuary no Tennessee depois de uma separação de 22 anos. A ligação foi imediata, intensa e inesquecível entre as duas ex-elefantas de circo ”, escreveu a EVOLVE Campaigns.

“É muito raro os elefantes exibirem esse tipo de emoção em cativeiro, e é provavelmente a primeira vez que isso é documentado em vídeo”.

A cena da reunião entre Shirley e Jenny já rendeu mais de 23 milhões de visualizações, emocionando os usuários das mídias sociais em todo o mundo.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“Esta é uma das coisas mais bonitas e tocantes que já vi”, comentou um usuário. Outro disse: “Eu sou um cara de 1,80m de altura e 70kg e estou chorando como um bebê por causa disso.”

“Esta é uma história tão linda e comovente. Eu também estou chorando. Uma amizade tão maravilhosa e que reunião” – comentou outro.

As duas elefantas viveram juntas até que Jenny adoeceu. Infelizmente, Jenny faleceu em 17 de outubro de 2006. Carol Buckley, a diretora executiva do santuário, descreveu como os últimos momentos de Jenny foram.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“No dia anterior à sua morte, Jenny tinha caído e ela não se levantou. Shirley ficou ao lado dela e insistiu que Jenny se levantasse. Jenny simplesmente não conseguia se levantar. Então Jenny se levantou, mas teve que se apoiar em Shirley para continuar”, disse Buckley, de acordo com a Nature.

“Se você olhasse para o rosto de Shirley, veria que ela sabia que Jenny estava morrendo. Jenny caiu no chão e Shirley entrou na floresta” – acrescentou Buckley.

Shirley ficou na floresta até que Jenny faleceu. Ela lamentou por dias após a morte de Jenny, recusando toda a comida. “Foi muito difícil para todos e especialmente difícil para Shirley. Toda a vida de Shirley girava em torno de cuidar do bebê Jenny. Era como uma mãe perdendo o bebê”, disse Buckley.

Felizmente, Shirley vive uma vida longa. Ela ainda está vivendo no Santuário de Elefantes no Tennessee, e em 6 de julho de 2019 celebrou seu 71º aniversário!

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Nascida na Sumatra em 1948, Shirley sobrevive à maioria dos elefantes asiáticos e é o terceiro elefante mais velho da América do Norte. “Shirley passou por tanta coisa em sua vida. É incrível a rapidez com que ela confia nas pessoas”, disse a Kaitlin Stocks, cuidadora responsável, ao Nashville Tennessean. “Ela emana amor e bondade.”

Como os humanos, os elefantes são capazes de uma gama de emoções, pensamentos complexos e sentimentos profundos. O amor e a amizade entre Jenny e Shirley é um testemunho disso. A bela ligação entre esses dois elefantes nos lembra como a vida é preciosa e que devemos respeitar e cuidar de nossos semelhantes neste planeta, pois eles também têm sentimentos.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui