Tikiri, uma elefante fêmea de 70 anos, é forçada a caminhar quilômetros todas as noites para que as pessoas se sintam abençoadas em um festival religioso. Além de idosa, a elefante está doente e desnutrida, e é coberta por um traje para que as pessoas não vejam seu corpo extremamente magro.

O elefante extremamente magro e com os ossos tão proeminentes que é possível contá-los
Foto: Lek Chailert

Lek Chailert, fundadora da Save Elephant Foundation (Fundação Salve os Elefantes), afirmou que Tikiri é um dos 60 elefantes forçados a trabalhar dez noites seguidas no festival budista Esala Perahera, em Kandy, Sri Lanka (país da Ásia).

O elefante no festival, coberto por roupas enormes que tampam todo o seu corpo e sendo forçado a carregar um homem
Foto: Lek Chailert

Chailert afirma que os elefantes são algemados para andarem mais devagar em meio à multidão barulhenta. “Tikiri se junta ao desfile no começo da noite até bem tarde, por dez noites consecutivas, rodeada de barulho, fogos de artifício e fumaça”, continuou. “Ninguém vê seu corpo magro e sua fraqueza, coberto pela fantasia. Ninguém vê as lágrimas em seus olhos, feridos pela luz que decora sua máscara. Ninguém vê sua dificuldade em caminhar porque suas pernas estão algemadas”, desabafou. Ela ainda acrescentou que todos têm o direito de acreditar em qualquer coisa, desde que isso não prejudique outro ser vivo.

“Amar, não fazer mal, seguir um caminho de bondade e compaixão – esse é o Caminho do Buda. É hora de segui-lo”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.