Cacique Raoni diz que declarações de Bolsonaro motivam queimadas na Amazônia


As declarações de Jair Bolsonaro sobre o meio ambiente motivam o desmatamento e as queimadas na Amazônia e o desqualificam para o cargo de presidente do Brasil. É o que afirma o cacique Raoni Metuktire, liderança indígena brasileira mundialmente conhecida.

“O presidente Bolsonaro diz que não quer demarcar terra para os indígenas. Isso não é bom. Nunca vi um presidente falar desse jeito. Eu não estou gostando do jeito que o presidente Bolsonaro está falando. Fico preocupado com todo mundo, não só com os indígenas em perigo, mas com os brancos também”, afirmou Raoni, de 89 anos, em entrevista à revista Veja.

(Regis Duvignau/Reuters)

O líder indígena contou ainda que solicitou reuniões com o presidente para falar sobre meio ambiente e preservação da Amazônia, mas que recebeu negativas. “Ele (Bolsonaro) não aceita conversar comigo, diz que eu não sou autoridade. Eu quero dizer que eu sou cacique, assim como meus ancestrais foram. Eu lidero uma comunidade. Então, do jeito que o presidente fala da Amazônia, acho que quem não é autoridade é ele”, disse.

Ao final do encontro de líderes do G7 em Biarritz, na França, Raoni se reuniu com o presidente da França, Emmanuel Macron. Durante o encontro, na terça-feira (27), o cacique pediu apoio dos países desenvolvidos no combate aos incêndios e ao desmatamento da Amazônia. Antes disso, Macron já havia anunciado a doação de 20 milhões de euros aos países da bacia amazônica. Bolsonaro, porém, disse que só aceita a doação se puder decidir como o recurso será utilizado.

De acordo com o líder caiapó, o valor oferecido “pode não ser suficiente” e os governantes dos países que integram o G7 deveriam não só oferecer apoio financeiro, como “conscientizar os fazendeiros do Brasil para termos uma floresta verde, sem a destruição que está acontecendo”. Os recurso oferecidos, segundo o cacique, não ameaçam a soberania brasileira. “Cada país tem a sua terra, e aquela parte da Amazônia pertence ao Brasil”, disse.

Raoni responsabilizou o governo brasileiro pela destruição em curso da floresta amazônica. “Todo mundo deve estar ciente de como o presidente Bolsonaro está atuando. Se ele continuar nesse ritmo de desmatamento, de impunidade, pode comprometer mesmo a Amazônia. Aí, as consequências serão mais complicadas. Todo mundo corre risco”, afirmou.

“Eu defendo a floresta e a conservação dela. No meu entendimento, quando presidente Bolsonaro afirma que apoia a atividade econômica e o desmatamento na Amazônia, as pessoas sentem que o presidente está autorizando o desmatamento, e esses incêndios estão acontecendo”, completou.

O cacique explicou que o crescimento da devastação da floresta está fazendo com que os períodos de seca e as temperaturas aumentem, o que, segundo ele, afeta não só os indígenas, mas também os brancos e os “espíritos da floresta”.

“Os seres sobrenaturais, os espíritos, também estão sendo afetados e eles podem se revoltar também. Ninguém imagina que isso pode acontecer, mas podemos ter problemas mais graves”, alertou.

“Brancos e índios terão problemas semelhantes com a destruição das florestas. Se a gente quiser bem viver, a gente precisa cuidar das florestas para segurar o que pode vir a acontecer. As florestas são as bases para a gente viver bem porque a gente vai respirar bem. A floresta garante a sobrevivência de todos nós, brancos e índios”, concluiu.

O líder indígena foi para a Europa a convite dos organizadores da Assembleia Mundial Religiões para a Paz, que foi realizada entre os dias 20 e 23 de agosto na Alemanha. De lá, Raoni seguiu para a França, onde participou de um evento sobre meio ambiente e conversou com Macron, a pedido do presidente francês. O retorno do cacique ao Brasil está previsto para setembro.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

TRATAMENTO

PROTEÇÃO ANIMAL

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>