Filhotes ficam órfãos após gata ser envenenada e ganham ‘mãe de leite’


Três filhotes de gato ficaram órfãos após a mãe deles ser envenenada em Peruíbe, no litoral de São Paulo. A gata foi socorrida por uma protetora de animais, mas não sobreviveu. Inicialmente, os filhotes passaram a ser alimentados por meio de uma mamadeira, mas depois encontraram uma gata lactante que, agora, é a “mãe de leite” deles.

Os filhotes não tiveram contato com a mãe biológica após o envenenamento e, por isso, não foram afetados pelo veneno. Eles foram resgatados pela farmacêutica Graziella Judy, voluntária do grupo Animal Cat, que resgata e disponibiliza gatos para adoção em Peruíbe.

Filhotes ficaram órfãos após gata ser envenenada (Foto: Graziella Judy)

“A gata voltou para casa vomitando, com sinais de envenenamento. Ela entrou em contato para pedir ajuda. Eu resgatei a gata e levei ao veterinário. Mas, já era tarde demais. Infelizmente, a gata chegou morta no veterinário. O veterinário disse que sim, era veneno. Geralmente, colocam dentro de uma pedaço de carne ou frango”, disse Graziella ao G1.

Os filhotes haviam nascido dias antes da mãe deles ser envenenada. A tutora dos animais afirmou que não tinha condições de manter os gatos e, por isso, eles ficaram sob a responsabilidade da protetora.

Logo após resgatar os filhotes, Graziella os alimentou usando uma pequena mamadeira e leite industrializado específico para gatos. Eles mamavam a cada três horas.

“Publiquei nas redes sociais pedindo ajuda para quem tivesse uma fêmea amamentando para fazer uma ‘mãe de leite’. Fiz uma primeira tentativa, não deu certo. A fêmea rejeitou os filhotes. Uma outra pessoa apareceu com uma fêmea que estava amamentando e ela acolheu os bebezinhos”, contou.

Segundo ela, os filhotes estão se desenvolvendo bem e, inclusive, já abriram os olhos. Graziella acredita que os gatos estão saudáveis porque não tiveram contato com a mãe biológica após ela ser envenenada. Quando os animais completarem 60 dias de vida, a protetora os disponibilizará para adoção.

Filhotes foram adotados por “mãe de leite” (Foto: Graziella Judy)

Para a farmacêutica, a mãe dos gatos foi envenenada porque não era castrada e ficava solta. “Temos parcerias com clínicas, pegamos os gatos e devolvemos para o tutor castrado e medicado para evitar esse tipo de situação. Os gatos que não são castrados passeiam, fazem barulho, fezes na vizinhança e isso incomoda muita gente. Dai, elas compram veneno de rato e dão. É uma forma muito cruel de matar o animal. Infelizmente, a maldade humana fica acima de tudo”, lamentou.

É importante ressaltar, no entanto, que embora gatos castrados fiquem mais tranquilos e alguns, de fato, parem de sair à rua, muitos deles permanecem saindo, mesmo que para ir até a calçada ou apenas subir no telhado. Isso os expõe a riscos de atropelamento, envenenamento, agressão e contaminação por doenças. É necessário, portanto, não só castrar o gato, mas impedir que ele tenha acesso à rua, mantendo portas e janelas fechadas ou colocando tela nas janelas ou no quintal.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ALEGRIA

VÍTIMAS DA CAÇA

MAUS-TRATOS

RECONHECIMENTO

PRESERVAÇÃO

VAQUINHA ON-LINE

FINAL FELIZ

LEALDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>