Rinoceronte negro baleado e deixado para morrer é salvo por time de especialistas


Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Os guardas-florestais da África do Sul se dedicaram extraordinariamente para salvar uma fêmea da espécie de rinoceronte negro que foi baleada e deixada para morrer por caçadores que entraram escondidos na reserva onde ela vivia.

Uma grande equipe que uniu veterinários, guardas florestais e especialistas em cuidados com animais passaram os últimos dez meses usando técnicas inovadoras para garantir a sobrevivência do rinoceronte.

Isso inclui equipar o animal com um curativo (bandagem especial) feito sob medida a cada poucas semanas para tentar curar seu casco quebrado, que foi perfurado por balas.

Os guardas florestais do Kruger National Park, na África do Sul, desenvolveram um carinho muito grande pelo rinoceronte a quem deram nome de Goose, e se esforçaram ao máximo para que ela sobrevivesse.

O rinoceronte negro tem sido morto por caçadores a uma velocidade tão grande que só restam cerca de 5 mil animais em todo o mundo – com 80% deles vivendo na África do Sul.

Goose foi encontrada pelos guardas florestais ano passado, vagando em volta da savana, extremamente magra, desnutrida e prestes a morrer.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Ela estava mancando com um dos pés mutilados após caçadores furtivos que a caçavam por seu chifre, dispararam várias balas contra o casco para evitar que ela escapasse.

Vários ossos estavam se projetando através de sua pele e seu casco havia sido danificado ainda mais por ela ter se mentido andando.

“Normalmente, quando nós especialistas encontramos um animal nesse estado avançado de sofrimento, provavelmente o colocaríamos para dormir”.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

“Mas ela é um rinoceronte negro raro e é tão preciosa que tínhamos que fazer tudo o que pudéssemos para salvá-la.” disse Cathy Dreyer, coordenadora de monitoramento de rinocerontes negros do Kruger Park.

Chifre de rinoceronte é uma mercadoria muito procurada no Extremo Oriente, onde os clientes acreditam que ele é um afrodisíaco; pode aumentar a virilidade e até mesmo garantir uma boa saúde.

Na realidade, o chifre do rinoceronte é feito de queratina – o mesmo material que uma unha humana e ainda por cima sem nenhum valor nutricional.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Mas no mercado paralelo, o chifre de rinoceronte pode render milhões de dólares e a demanda alimentou o tráfico e o comércio com tanta força, que os rinocerontes (especialmente os negros) estão agora entre as espécies mais ameaçadas do mundo.

Uma enorme equipe de especialistas foi reunida ao redor de Goose, com veterinários, especialistas em rinocerontes, guardas florestais e várias organizações, reunindo recursos e conhecimento para trabalhar em conjunto da melhor maneira possível.

Entre eles estavam a Unidade de Serviços Veterinários SANparks e seus funcionários; Salvando os Sobreviventes liderados pelo veterinário Johan Marais; veterinários estaduais de Skukuza, Petronel Niewoudt e funcionários da Care for Wild Africa e Jock Safari Lodge, que patrocinaram os antibióticos iniciais do rinoceronte e o tratamento de apoio.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Salvar o rinoceronte negro não sai barato

O custo do tratamento chegou a centenas de milhares de randes sul-africanos – com muitos dos envolvidos cedendo seu tempo e experiência de graça.

No início da missão para trazer Goose de volta da morte quase certa, ela estava recebendo cerca de 70 antibióticos por dia. Metade administrada de manhã e a outra metade à noite.

Ela também recebeu anti-inflamatórios e probióticos para prevenir úlceras e problemas que poderiam se originar de toda aquela medicação.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Os guardas florestais do Kruger Park também tiveram que fornecer à Goose a quantidade excepcional de comida que um rinoceronte adulto requer.

Uma estimativa conservadora é que Goose come cerca de 20kg de feno diariamente, bem como ramos recém cortados duas vezes ao dia.

Como os rinocerontes negros são seletivos em sua alimentação, os guardas-florestais oferecem uma grande variedade para que ela possa selecionar o que deseja.

Eles também cortaram seu chifre – para tentar protegê-la de caçadores que ainda possam tentar matá-la por isso.

Ela passou por cerca de vinte procedimentos cirúrgicos diferentes que eram realizados a cada poucas semanas.
Só esse fato em em si já é uma missão e tanto a ser vencida.

Foto: Sky News/Reprodução
Foto: Sky News/Reprodução

Juntos, a equipe vêm com a ideia de amarrar o casco do rinoceronte com uma camada de pele de elefante para proteção, cobrindo-o com camada sobre camada de bandagem que é então revestida em fibra de vidro para dar proteção adicional. Tudo via procedimento cirúrgico.

Após todo esse trabalho e dedicação de semanas, Goose lentamente acorda, com uma pequena contração da orelha primeiro, em seguida, parece de repente se erguer.

Ela fica levemente de pé e logo percebemos que a claudicação enfatizada que ela tinha antes do procedimento agora é muito facilitada.

Ela joga fora, seu novo casco parece dramaticamente branco contra o pano de fundo empoeirado de sua caneta.

Goose vai passar por tudo isso novamente daqui a algumas semanas.

A equipe do Kruger Park está determinada a salvá-la – e espera que ela seja capaz de dar a luz a rinocerontes negros no futuro.

É um tremendo esforço de um grande número de pessoas e organizações.

São seus esforços tremendos e constantes que fazem a diferença na luta para garantir a sobrevivência de uma espécie que os caçadores estão ameaçando eliminar para sempre.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ACIDENTE

CRUELDADE

TECNOLOGIA

DESUMANIDADE

ACOLHIMENTO

EFICIÊNCIA

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>