FINAL FELIZ

ONG resgata quase 2 mil cachorros de fazendas de carne na Coreia do Sul

No país a carne de cachorro é considerada uma iguaria, e os animais são criados em fazendas para morrer

Por Rafaela Damasceno

Uma ONG em defesa dos direitos animais salvou cerca de 1800 cachorros na Coreia do Sul, que seriam assassinados e vendidos como comida. 30 dos filhotes foram adotados por famílias no Reino Unido e estão se desenvolvendo.

O resgate ocorreu quando um fazendeiro de 71 anos pediu ajuda da organização para fechar sua fazenda. Se não tivessem sido salvos, os cachorros fariam parte do grupo de um milhão da espécie, que serão eletrecutados, mortos e comidos em um festival chamado Bok Nal. A Humane Society UK acolheu os animais.

Em uma crença popular da região, os dias 12 e 22 de julho, assim como o dia 11 de agosto – conhecidos como Bok Nal -, são considerados os dias mais quentes do ano. Muitos sul-coreanos então se alimentam de sopa de carne de cachorro, que é popularmente conhecida como uma espécie de fortalecedor – eles acreditam que a carne de cachorro ajuda a aumentar a energia.

Vários cachorrinhos presos em uma gaiola enferrujada
Foto: Jean Chung / For HSI

O consumo da carne da espécie está diminuindo entre os habitantes do país, mas mesmo aqueles que nunca comeriam o fazem durante o Bok Nal.

Os cachorros criados pela sua carne são confinados em gaiolas pequenas e imundas, segundo o Daily Mail. Elas não possuem proteção contra o frio intenso do inverno ou o calor escaldante do verão. Muitas ainda têm o piso feito de arame, o que machuca as patas e os corpos dos cachorros.

Uma voluntária carrega um cachorrinho resgatado, que parece feliz
Foto: Jean Chung / For HSI

Até cerca de um ano de idade, os animais são criados sem cuidados veterinários, sem água suficiente e com restos de comida. Depois, são mortos eletrocutados.

Nara é uma das cachorrinhas resgatadas que teve a chance de ter um lar e uma família. “Nós a adoramos! Ela é uma cachorrinha feliz e curiosa, uma excelente companheira que lentamente supera seus medos”, contou Judy Hartshorn, a nova tutora de Nara.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui