DENÚNCIA

Ossos de leão: um negócio mortal que está em ascensão

Movido pela ambição humana o comércio de partes do corpo dos grandes felinos na Ásia se tornou uma atividade lucrativa que já ameaça a sobrevivência dos animais

Esqueletos de leões criados em cativeiro podem ser comercializados em todo o mundo | Foto: Alamy

Um tratado internacional proíbe a compra e venda de produtos feitos a partir de qualquer espécie de felino, exceto um: o leão africano. Se os animais foram criados em cativeiro na África do Sul, então seus esqueletos, incluindo garras e dentes, podem ser comercializados em todo o mundo.

As partes de leão exportadas da África do Sul geralmente acabam na Ásia, onde são freqüentemente comercializadas como partes de tigres. Este negócio lucrativo está em ascensão e, de acordo com pesquisas recentes, uma proibição decretada pelos Estados Unidos pode ter ajudado a promover ainda mais o comércio sujo.

Em 2016, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA (FWS) proibiu a importação de troféus de leão criados em cativeiro. Para muitos criadores de leões na África do Sul, as exportações de esqueletos eram uma maneira óbvia de compensar negócios perdidos.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Às vezes, você acha que está fazendo a coisa certa, mas o resultado da sua decisão política é que algo pior que se materializa”, diz Michael ‘t Sas-Rolfes, doutorando na Universidade de Oxford, na Inglaterra, que estudou o comércio de ossos de leão.

Antes da proibição, as instalações de criação e caça da África do Sul abrigavam mais de 8.400 leões criados em cativeiro. Muitos foram destinados para uso em caçadas, em que um animal cativo, às vezes domesticado, é lançado em um campo de caça cercado para que um caçador possa perseguir e atirar.

Para pessoas sem dinheiro e tempo, essas “caçadas enlatadas”, como são comumente chamadas, podem ser atraentes. Embora ambas sejam atos de covardia e assassinato explícitos, em comparação com as caças tradicionais na natureza, as caças enlatadas leões são mais baratas, costumam durar dias em vez de semanas, e garantem a produção de um “troféu” para levar para casa.

Os americanos já representaram pelo menos metade da clientela para caçadas enlatadas. Mas os defensores dos direitos animais há muito criticam essa indústria bárbara que esta repleta de abusos e nao tem nenhum valor de conservação.

Em dezembro de 2015, os Estados Unidos adicionaram leões à lista de espécies ameaçadas, complicando as regras que envolvem as importações de troféus de leão.

‘T Sas-Rolfes e Vivienne Williams, pesquisadora da Universidade de Witwatersrand, em Johanesburgo, procuraram determinar como a proibição do troféu nos EUA e outras mudanças na política afetaram a indústria de criação de leões da África do Sul.

Os pesquisadores pesquisaram 117 instalações que criaram, mantiveram ou organizaram caças de leões cativos. Após a proibição, ‘T Sas-Rolfes e Williams descobriram que os preços dos leões vivos despencaram até 50%. Mais de 80% dos entrevistados disseram que a proibição afetou seus negócios, e muitos relataram demitir funcionários.

Embora a maioria dos criadores tenha dito que reduziu as operações, cerca de 30% disseram que decidiram recorrer ao comércio internacional de ossos. Os preços dos esqueletos aumentaram mais de 20% desde 2012.

Esqueletos femininos agora são vendidos por 3.100 dólares, em média, e os do sexo masculino, por 3.700 dólares. As exportações de esqueletos mais do que dobraram no ano após a proibição do troféu nos EUA, de 800 para 1.800 leões.

As exportações de esqueletos já foram limitadas. No final de 2016, a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas determinou que a África do Sul estabelecesse uma cota anual de exportação para partes de leões criados em cativeiro. Em 2017, as autoridades definiram uma cota de 800 esqueletos; eles aumentaram o número no ano passado para 1.500.

A maioria dos vendedores acredita que a cota ainda é muito baixa. Metade dos entrevistados da pesquisa disseram que buscariam “mercados alternativos” se as cotas restringissem seus negócios. Vendedores frustrados, em outras palavras, ameaçavam recorrer ao comércio ilegal.

Desde 2016, Kelly Marnewick, uma conservacionista da Universidade de Tecnologia de Tshwane, em Pretória, registrou pelo menos 75 leões criados em cativeiro que foram caçados. “É um pouco como o drive-thru do McDonald’s”, diz ela.

“Você joga carne envenenada sobre a cerca para leões acostumados a comer das mãos das essoas pessoas, o veneno mata-os em silêncio, e então você entra e corta partes do corpo e sai sem que ninguém perceba”.

O aumento nas exportações legais de ossos de leão está ligado à caça, Everatt diz: “Seria coincidência demais para essas duas coisas acontecerem ao mesmo tempo e no mesmo lugar sem um link. Mas o problema é que ninguém realmente investigou isso ”.

Mas “T Sas-Rolfes alerta para não tirar conclusões precipitadas. Os pesquisadores ainda estão examinando se e como a demanda por produtos legais para grandes felinos afeta a caça furtiva de tigres e leões, diz ele. Uma nova proibição das exportações de ossos de leão pode não apenas frear a caça, mas também piorá-la.

Williams acredita que apenas compromissos assumidos com base cientifica produzirão uma solução que realmente beneficie os leões selvagens.

“Diversas partes interessadas afirmarão vigorosamente que há apenas um lado e aqui está o que precisamos fazer, em forma de soluções mágicas, mas esse é um cubo de complexidade da Rubik”, diz ela. “Ele é multifacetado e tudo está interconectado”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui