BRUTALIDADE

Todos os anos, 121 milhões de porcos são mortos pela indústria da carne nos EUA

A morte é cruel e a criação, mais ainda. A espécie sofre do início da sua vida até o fim, explorada e abusada em todas as suas fases

Por Rafaela Damasceno

Quanto mais os anos passam, mais a indústria da carne cresce, ampliando as fazendas e colocando cada vez mais porcos em lugares cada vez mais apertados. Pouca ou nenhuma consideração pelo bem-estar animal é demonstrada.

Foto: Andrew Skowron

Desde 1978, o número de porcos explorados pelas indústrias aumentou para 60 milhões. As fazendas industriais de porcos eram 20 vezes maiores em 2007 do que em 1978, de acordo com a Humane Society.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A demanda pelos produtos derivados dos porcos nunca foi tão alta, o que explica o aumento da prática cruel. Um americano costuma comer, em média, 31 porcos durante a vida. Estima-se que 121 milhões de porcos são mortos por comida todos os anos nos Estados Unidos. No mundo, o número chega a 1,5 bilhão.

Uma investigação recente da PETA encontrou mais de mil porcas vivendo em gaiolas de parto no Reino Unido. Lá, elas eram obrigadas a permanecer com seus filhotes, sem poder realizar funções básicas como se locomover, se virar ou cuidar de suas crias.

A criação nas fazendas industriais suprime toda a personalidade carinhosa, amigável e leal da espécie. Eles vivem em espaços superlotados, os leitões são separados das mães aos dez dias de idade, as porcas dão à luz sem descanso por quatro anos antes de serem assassinadas.

Foto: Andrew Skowron

Quando levados para os matadouros, a situação é ainda pior. Em uma instalação na Austrália, foi descoberto que os funcionários afogavam os animais em água fervente enquanto eles lutavam para escapar.

Os porcos são inteligentes, sociáveis e emocionais. E as indústrias apenas ignoram toda a senciência presente neles e os tratam como meros objetos, como mercadoria e unidades de produção.

A câmara de gás é considerada o método mais “gentil” de matar os animais. Alguns porcos são colocados nelas para entrar em um estado de inconsciência antes de serem mortos. Um ativista em defesa dos direitos animais, James Aspey, visitou um matadouro no Canadá para relatar como é a morte desses animais, e o que viu foi aterrador.

Os porcos nas câmaras de gás batem violentamente nas laterais, buscando uma saída. Assustados, eles gritam e colocam seus narizes através das barras, tentando escapar.

“Se esse é o método mais humano”, disse o ativista, “talvez não devêssemos tentar nenhum método”.

No Brasil, um porco morre a cada segundo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui