Indústria de peles de animais paga apoiadores para protestar ao seu favor


Por Rafaela Damasceno

O fim completo do comércio exploratório das peles de animais parece enfim uma possibilidade. Proibições propostas na cidade de Nova York e no estado da Califórnia marcam o que pode ser o início de uma série de leis. Desesperada, a indústria de peles está pagando as pessoas para que apoiem o comércio.

Um animal preso em uma gaiola
Foto: Jo-Anne McArthur/We Animals

Os ativistas protestam a respeito da injustiça na prisão e esfolamento dos animais, enquanto grupos religiosos e étnicos contra argumentam. Segundo membros das comunidades afro-americanas, judaica ortodoxas e nativa americanas, andar sem peles sacrificaria a tradição cultural dos povos – embora as peles possam ser substituídas facilmente por versões sintéticas e livres de crueldade.

Quanto mais proibições chegam perto de se tornarem lei, mais os oponentes levantam questões inesperadas sobre as consequências do encerramento da indústria de peles – e estão sendo pagos para isso.

Vários opositores da proibição do comércio de peles compareceram em uma audiência recente do projeto de lei em Sacramento, na Califórnia. Muitos receberam dinheiro pelos seus protestos, segundo informações do The Intercept.

De acordo com documentos obtidos pelo jornal, Matt Gray é uma das pessoas mais bem pagas para protestar. Ele recebeu pelo menos 7 mil dólares (equivalente a mais de 26 mil reais) e também foi pago para liderar um grupo de pessoas até o Edifício do Estado.

Andrew Aguero, um estudante nativo americano da Universidade Politécnica do Estado da Califórnia, se declarou fortemente contra a proibição da venda de peles. Ele disse que a pior parte é ouvir que sua cultura é cruel.

Há um mês, Andrew perguntou em uma postagem de seu Facebook se alguém gostaria de “fazer 100 dólares fácil em Sacramento e lutar contra a tirania”.

Um voluntário do grupo ativista de direitos animais Direction Action Everywhere (DxE) se passou por um opositor e respondeu ao post. Ele recebeu então os detalhes da transação através de uma firma de consultoria republicana, Mobilize the Message. Os acertos incluíam 175 dólares e alguns bônus adicionais.

A Califórnia não é o único lugar dos Estados Unidos que está sendo bombardeada pela oposição. A cidade de Nova York, que também considera a proibição da venda de peles, tem lobistas empenhados em revogar o projeto de lei.

Em todo o Estados Unidos, a proibição do uso de peles vem ganhando força. “Estamos ansiosos pelo dia em que as pessoas não matarão mais animais pela moda”, declarou Dan Mathews, do grupo ativista PETA.

Todos os anos, mais de 100 milhões de animais são criados e mortos pela sua pele. Eles passam a vida dentro de gaiolas apertadas, privados de se comportarem naturalmente.

“A Califórnia é um estado de tendências”, disse Laura Friedman, membro da Assembleia, que apresentou o projeto em dezembro do ano passado. “Banir o comércio de peles enviaria uma mensagem ao redor do mundo”.

A lei precisa de mais dois votos do Senado antes de ser enviada para o governador, para receber a assinatura final.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>