Rússia é criticada por “despejar” no mar baleias que estavam confinadas em cativeiro


Foto: Vniro/EPA
Foto: Vniro/EPA

A tão esperada operação da Rússia para liberar o primeiro lote de baleias que eram mantidas em cativeiros apertados e insalubres na região do extremo leste do país foi perigosamente cheia de falhas, de acordo com ambientalistas.

Os animais – 11 orcas e 87 baleias beluga – eram mantidos em cativeiro em uma baía perto da cidade portuária de Nakhodka desde o ano passado. Os cetáceos deveriam ser vendidos a aquários chineses, porém imagens dos animais definhando no que foi chamado de “prisão de baleias” causaram protestos internacionais.

Vladimir Putin na semana passada saudou as medidas da Rússia para devolver as baleias à natureza. No entanto, o Greenpeace Rússia disse que as duas orcas e seis baleias beluga foram simplesmente jogadas no mar de Okhotsk na quinta-feira, depois de serem transportadas 1.100 milhas (quase 2 mil km) por caminhão e depois de barco para seu habitat natural. A viagem durou sete dias e as baleias foram mantidas em pequenos contêineres durante todo o tempo.

A decisão de libertar os animais veio após uma visita ao seu cativeiro em abril por Jean-Michel Cousteau, oceanógrafo e filho do falecido especialista em marinha Jacques Cousteau. No entanto, apesar das promessas de autoridades russas de que a equipe de especialistas marítimos de Cousteau estaria envolvida em sua libertação, nenhum cientista internacional ou independente foi convidado a participar. Cousteau, inclusive, recomendara que as baleias fossem transportadas apenas pelo mar.

O Greenpeace disse que nenhuma tentativa foi feita para preparar as baleias para seu retorno à natureza, aumentando seriamente o risco de trauma ou morte para os animais. A entidade também afirmou que toda a operação foi realizada em sigilo.

“É cruel liberar orcas e baleias belugas que passaram sete dias nesses contêineres diretamente no mar”, disse Oganes Targulyan, um especialista do Greenpeace, à mídia russa. “Eles não foram liberados, mas jogados [no mar]”.

As autoridades russas disseram que a operação foi bem-sucedida e que nenhuma das baleias sofreu durante a viagem. Nove orcas e 81 baleias-beluga permanecem em cativeiro. Eles serão libertados em outros lotes nos próximos quatro meses.

Uma corte no extremo leste da Rússia neste mês ordenou que várias empresas pagassem multas de 150,2 milhões de rublos (1,8 milhão de libras/mais de 8 milhões de reais) por seus papéis na “prisão das baleias”. Mas, de acordo com documentos publicados no site de compras estatais da Rússia, as mesmas empresas também foram contratadas pelo instituto estadual de pesca e oceanografia para liberar as baleias. Elas estão para ganhar mais de 360 milhões de rublos no total.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSCIENTIZAÇÃO

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>