ESPÉCIE AMEAÇADA

Rinocerontes tem os chifres envenenados para não serem mortos por caçadores

Embora inofensivo para os animais se um ser humano cheirar ou entrar em contato o pó presente no chifre de um desses rinocerontes, pode sofrer náuseas, vômitos e convulsões.

Foto: Caters/Teagan Cunniffe
Foto: Caters/Teagan Cunniffe

Conservacionistas “envenenaram” os chifres dos rinocerontes numa tentativa de protegê-los da ameaça constante de morte que os animais enfrentam dos caçadores da região.

Eles costumam vender os chifres em toda a Ásia para utilização na medicina tradicional chinesa e podem conseguir mais de 50 mil dólares no mercado negro por chifre.

Foto: Caters/Teagan Cunniffe
Foto: Caters/Teagan Cunniffe

O Rhino Rescue Project (Projeto de Resgate de Rinocerontes) usa toxinas amigáveis aos animais (ectoparasiticidas) e corante indelével no processo de “envenenamento”, que pode causar sintomas como náuseas, vômitos e convulsões graves aos humanos em graus variados, dependendo da quantidade consumida.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O tratamento é perfeitamente seguro para os rinocerontes, sem efeitos prejudiciais registrados neles ou em seus descendentes subsequentes.

O trabalho do Rhino Rescue Project na África do Sul foi captado pelas lentes do fotógrafo Teagan Cunniffe, de 28 anos, semana passada.

Ele disse: “O tratamento dura entre três e cinco anos, um ciclo completo de crescimento de chifre. Depois disso, ele precisa ser administrado novamente. “Isso custa de 500 dólares por toda a operação, incluindo equipe e materiais de campo.

“Minhas fotografias mostram o processo de tratamento do chifre pelo Rhino Rescue Project e The Ant Collection, desde a localização e passando pela sedação do rinoceronte, até a recuperação de Mokolo (rinoceronte).

Foto: Caters/Teagan Cunniffe
Foto: Caters/Teagan Cunniffe

O Rhino Rescue Project vem realizando esses procedimentos desde 2011, e até hoje apenas 2% dos rinocerontes que foram tratados morreram – e isso levando em conta uma combinação de caça e causas naturais.

Teagan, da Cidade do Cabo, acrescentou: “Minha foto favorita é a imagem do drones que mostra as pessoas envolvidas no processo de tratamento de Mokolo”.

“Eu queria que as sombras dos humanos fossem a principal característica: os guardiões sem rosto de um rinoceronte vulnerável. Nós somos os únicos que podem salvar esta espécie da extinção”.

“Este é um esforço anti-caça proativamente muito bem-sucedido, e acredito que todos os rinocerontes devem passar por esse processo de tratamento”, concluiu ele.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui