Um dos maiores mercados de carne de cachorro da Coreia do Sul é fechado


Foto: HSI
Foto: HSI

Um dos maiores mercados de carne de cachorro da Coréia do Sul será fechado definitivamente até o final do mês.

O Gupo Livestock Market, em Busan, um dos maiores mercados do país, que vende carne de cachorro congelada, assim como cachorros vivos que são mortos mortos por encomenda, será transformado em um parque público.

As autoridades locais chegaram a um acordo com os 19 vendedores de carne de cachorro do mercado para encerrar seus negócios no final do mês.

Nara Kim, ativista que luta contra o comércio carne de cachorro da ONG Humane Society International (HSI), elogiou o encerramento como um “fim da era da carne de cachorro” e elogiou os dois lados por trabalharem em prol de um objetivo comum que beneficie a comunidade.

O declínio da indústria de carne de cachorro da Coréia do Sul

“A HSI tem trabalhado com produtores de carne de cachorro na Coréia do Sul por quase quatro anos, ajudando-os a fechar seus negócios, à medida que mais pessoas do condado se afastam da carne de cachorro”, disse Kim.

A Coreia do Sul é a única nação que cria cães para consumo humano. Segundo a HSI, mais de 2 milhões de cães são mortos por carne a cada ano. Cães são mantidos em gaiolas de arame e a morte acontece lentamente, por eletrocussão. É normal nessas instalações cruéis que os cães demorem até cinco minutos para morrer.

Mas a opinião pública em relação a carne de cachorro está mudando. O consumo também está em declínio; 70% dos sul-coreanos dizem que não comerão carne de cachorro no futuro, de acordo com uma pesquisa realizada junho de 2018 conduzida pela Gallup Korea.

A HSI também observa que o setor está em um “limbo jurídico”. As disposições da Lei de Proteção aos Animais da Coreia do Sul proíbem a matança de animais de forma “brutal” e na frente de outros animais da mesma espécie.

O grupo internacional ajudou a fechar uma dúzia de fazendas de carne de cães desde que lançou sua campanha coreana em 2015. O fim do Gupo Livestock Market segue o fechamento de Taepyeong, o maior matadouro de cães da Coreia do Sul, em novembro passado. Seu fechamento foi um esforço colaborativo entre a HSI e o grupo local de direitos animais, a Korean Animal Welfare Association.

Assim ocorreu com o Gupo, o mercado de Taepyeong será transformado em um parque público. Em novembro passado, a HSI ajudou um criador de cães por carne – que realizava a atividade há 14 anos – a fechar sua fazenda para começar a cultivar ervas medicinais.

“Este é o golpe de misericórdia a um comércio de carne de cachorro cada vez mais impopular”, disse Kim. “E esperamos que inspire novos fechamentos no futuro, em locais e mercados onde os cães também sofrem pelo comércio de carne, como o mercado de Chilsung em Daegu”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA

RECOMEÇO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>