Ativistas denunciam agressão durante ação em matadouro em Carapicuíba (SP)


Mais de 20 ativistas participaram, na sexta-feira (31), de um ato pacífico em prol dos animais no matadouro Rajá, em Carapicuíba (SP). Os manifestantes afirmam ter sido agredidos por seguranças do local e mostram machucados pelo corpo.

Foto: Divulgação

Trata-se do mesmo matadouro para onde seriam levadas as porcas que foram resgatadas, em 2015, no Rodoanel, em São Paulo, após um acidente com a carreta que as transportava. Desde então, as porcas vivem em um santuário em São Roque (SP).

Segundo o grupo, esta foi a “primeira entrada pacífica em matadouro registrada na América latina”. O Rajá mata centenas de porcos por dia e os corpos dos animais mortos dão origem a produtos destinados a consumidores da Grande São Paulo. O local também é alvo de reclamações da população que, insatisfeita com o forte odor, o barulho e a poluição dos rios gerada pelo estabelecimento, fez um abaixo-assinado – que até o momento reúne mais de 3 mil assinaturas – pedindo a interdição da empresa no município.

Imagens que compravam o confinamento de porcos em espaços superlotados foram registradas. Os ativistas fotografaram ainda animais feridos, com tumores, doentes e fêmeas em lactação.

Foto: Divulgação

O grupo diz que explicou para os seguranças que o ato era pacífico, mas que, ainda assim, sofreu agressões. Segundo os ativistas, lesões corporais foram causadas pelos “inúmeros golpes deferidos”, além de “danos morais devido ao despreparo e ação inédita no matadouro”.

Os ativistas afirmam ainda que o objetivo da manifestação é “conscientizar a sociedade” e que a luta do grupo “é pela libertação de todas as espécies”.

Foto: Divulgação

Uma ativista que participou da ação, revelou o horror encontrado no local. “Hasteamos a bandeira do veganismo, parte do grupo ali permaneceu e eu com outra ativista seguimos buscando o corredor da morte, encontramos a ala deprimente do lugar, a sala de matança e as carcaças dos corpos abertos dos animais, além de todos os equipamentos em um vai e vem de escadas metálicas e corredores escuros”, disse. “Dos maus-tratos e inconformidades: porcos que não conseguiam ficar em pé, fêmeas com sinais de gestação e amamentação em função do tamanho das mamas, hematomas, patas inchadas, marcas de abuso com eletrochoque no dorso dos animais”, completou. Ela disse ainda que o chefe da segurança do local recebeu os ativistas “batendo forte nas costas, braços e cabeça”.

Foto: Divulgação

“Saímos e nos abraçamos. Missão parcialmente cumprida, já que deixamos para trás os olhares daqueles que morreriam horas depois. Mas seguiremos agora no esforço de fazer cumprir a lei. O Rajá é o único matadouro em área urbana no estado de SP, possui dívidas fiscais desde os anos 80 e se mantém contrariando leis federais e estaduais, já que o município nem plano diretor possui”, disse a ativista, que lembrou que a ação teve o objetivo de “expor um matadouro por trás das fachadas” e também “estimular o Ministério Público a dar ritmo às ações e processos que ultrapassam os 3 dígitos contra a empresa”.

Processos judiciais

O matadouro Rajá está envolvido em 98 processos judiciais, conforme consta no site do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Na maioria dos processos, a empresa é parte requerida.

Grande parte destes processos se referem a ações de execução fiscal (débitos de ICMS, ISS, IRPJ, FGTS, contribuições sociais, multas, entre outros). Um deles, o processo nº 0006089.61.2014.8.26.0127, em trâmite perante o Serviço de Anexo Fiscal de Carapicuíba, versa sobre dívida tributária (Imposto de Renda sobre Pessoa Jurídica – IRPJ), no valor de quase R$ 37 milhões.

Foto: Divulgação

No site Dívida Ativa, é possível encontrar também uma dívida que beira o R$ 60 milhões, junto à Fazenda do Estado de São Paulo, referente a débitos originados desde a década de 80, o que indica que a empresa está, há mais de trinta anos, inadimplente com suas obrigações legais.

Além disso, o matadouro está localizado em área urbana, o que também é ilegal.

Foto: Divulgação

Confira abaixo vídeos que mostram a ação dos ativistas no matadouro:


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. Doe agora.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

PROTEÇÃO ANIMAL

INESPERADO

ASCENSÃO

GRATIDÃO

INDEFESAS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>