Artistas assinam petição que alcança 160 mil assinaturas contra festival de carne de cães e gatos


Artistas europeus estão entre as pessoas que assinaram uma petição contra o Festival de Yulin, no qual carne de cães e gatos é comercializada. O festival é realizado na região de Guangxi, no Sul de China. A petição deve ser entregue na embaixada chinesa em Paris, na França, nesta quarta-feira (29).

Foto: REUTERS/Reinhard Krause

A cantora britânica Petula Clark e os cantores franceses Michel Sardou e Nicoletta foram alguns dos artistas que assinaram o documento lançado pela associação Stéphane Lamart “Pela defesa dos direitos dos animais”. A entidade afirma que  “vem lutando há muitos anos para pedir ao presidente chinês, Xi Jinping, que não autorize essas práticas bárbaras “. As informações são da AFP.

“Para que a carne fique mais macia, os métodos de execução são muitas vezes extremamente cruéis, os animais são escaldados, estripados, envenenados, dilacerados vivos ou mortos com paus”, afirma Stéphane Lamart.

“Eu não estou surpreso, há milênios que os chineses comem cães e gatos, mas que eles façam disso um festival, é chocante”, completou Michel Sardou, que afirma ter se comprometido com a causa animal “graças a Brigitte Bardot”.

“É bom reclamar com um embaixador que vai encaminhar a queixa, mas isso deveria acontecer em escala global para que o abuso de animais cesse”, completou o cantor, que lembrou ter ficado satisfeito com os 2,2% de votos que o Partido Animalista conseguiu durante as eleições europeias realizadas no ano passado na França. O percentual é o dobro do registrado em 2017.

Durante a entrega da petição à embaixada, uma manifestação será realizada, das 11h às 13h. Bonecos gigantes de cachorros e gatos, com dois metros de altura, serão levados para o local para chamar a atenção dos transeuntes.

De acordo com Stéphane Lamart, “10.000 cães e 4.000 gatos foram mortos em 2018” durante o festival. O dado é confirmado pela A US Humane Society. Apesar disso, o consumo de cães na China é feito apenas por uma pequena parcela da população. De acordo com a Humane Society International (HSI), aproximadamente um terço dos 30 milhões de cães consumidos no mundo estão na China. A prática também parece estar diminuindo em outros locais da Ásia. Na Coreia do Sul esse consumo é cada vez mais criticado e em Taiwan já foi banido.

Na era maoísta (1949-76), ter um cachorro era proibido. Atualmente, no entanto, cada vez mais os chineses têm tutelado cachorros e repudiado o Festival de Yulin.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>