Centenas de golfinhos e baleias são mortos por barcos nas Ilhas Canárias anualmente


Baleias atingidas por navios | Foto: Supplied
Baleias atingidas por navios | Foto: Supplied

Uma dúzia de cetáceos mortos em consequência de acidentes foram recuperados nas Ilhas Canárias desde o início do ano, com a comunidade científica ressaltando de forma veemente a gravidade da situação.

Relatórios oficiais sugerem que o número médio de mortes por ano é de apenas de 2,5 animais, mas especialistas acreditam que esse número seja uma enorme subestimação da realidade. Alejandro Quintana, advogado especializado em direito ambiental, disse: “Isso não é nem a ponta do iceberg”.

Embora as baleias e os golfinhos sejam as maiores vítimas das colisões, os acidentes representam um perigo para as embarcações também, de acordo com Quintana.

O problema é exacerbado porque não existe um protocolo anticolisão específico com diretrizes para os estados-membros da Organização Marítima Internacional (OIM), o que poderia reduzir o risco de acidentes.

Quintana disse: “Quando um capitão da marinha percebe algo fora da rotina é feito um registro, existe um protocolo a ser seguido, mas não há procedimento para os cetáceos, o que não faz sentido algum.”

As tentativas do advogado de obter uma emenda parlamentar à Lei de Transporte Marítimo solicitando a criação, em um período não superior a seis meses, de um protocolo para a prevenção do problema, foram bloqueadas por interesses políticos em forma de MPs (medidas parlamentares) da Coalizão Canária e do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).

Ele acrescentou: “Uma baleia cachalote morta pareceu apenas quatro dias depois disso”.

O setor marítimo das Ilhas Canárias é um negócio lucrativo, estimado em 400 milhões de euros, que envolve interesses do setor empresarial da região. Quintana afirma que para piorar a situação, navios ilegais, que não pagam impostos, não possuem seguro e não pagam as contribuições para a Segurança Social, invadem frequentemente as águas ao redor do arquipélago, acrescentando: a intrusão neste setor é terrível.

“Em um santuário de cetáceos você não pode andar em qualquer velocidade que quiser, é preciso se adaptar aos critérios de conservação ambiental.”

Natacha Aguilar, bióloga marinha e candidata a doutorado na Universidade de La Laguna, disse que a implementação de medidas para enfrentar o problema em andamento é urgente e devem ser prioridade absoluta.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PRESERVAÇÃO

VAQUINHA ON-LINE

FINAL FELIZ

LEALDADE

COMPROMISSO

ESPECIAL

MAUS-TRATOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>