Brasil liderou desmatamento de florestas primárias no mundo em 2018


O Brasil liderou o desmatamento de florestas primárias – áreas com árvores antigas que não são fruto de replantio – no mundo em 2018, segundo um relatório do Global Forest Watch, atualizado pela Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

Foto: Getty Images

Em todo o mundo, cerca de 12 milhões de hectares de florestas tropicais desapareceram no ano passado, o equivalente a 30 campos de futebol por minuto. Só no Brasil, foram 1,3 milhão, tornando o país o que mais perdeu árvores em 2018. As informações são do portal BBC.

Segundo o levantamento, uma área de florestas primárias equivalente ao tamanho a Bélgica foi destruída no ano anterior. O Brasil e a Indonésia juntos foram responsáveis pelo desmatamento de 46% das florestas tropicais no mundo. Em 2002, o número foi ainda maior, com 71% de desmatamento gerado pelos dois países. A redução foi responsabilidade da Indonésia, com perda de floresta primária 40% menor no ano passado que o registrado entre 2002 e 2016.

Entre os anos de 2007 e 2015, o Brasil registrou 70% de queda no desmatamento. No entanto, entre 2016 e 2017 incêndios, muitos deles intencionais, fizeram o número de áreas desmatadas aumentar.

E apesar da área de floresta primária desmatada no Brasil em 2018 – 1,3 milhão de hectares – ter sido menor do que em 2017, o número ainda está acima da média histórica do país.

“Pode parecer tentador comemorar essa queda nos últimos dois anos, mas quando observamos os últimos 18 anos, fica claro que a tendência é de alta no desmatamento. Estamos longe de vencer essa batalha”, diz Frances Seymour, do World Resources Institute, que administra o Global Forest Watch.

O Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) registrou, na Amazônia, aumento de 13,7% de desmatamento entre agosto de 2017 e julho de 2018, em comparação aos 12 meses anteriores. O resultado é o pior em 10 anos.

Segundo o Global Forest Wacth, várias áreas desmatadas no ano passado ficam próximas ou dentro de territórios indígenas. Mais de 4 mil hectares foram perdidos na reserva Ituna Itata, onde vivem índios isolados, devido à exploração de madeira.

Com árvores que possuíam centenas e até milhares de anos de idade, os espaços desmatados são importantes para a manutenção da biodiversidade e abrigam animais silvestres, como onças, tigres, macacos e aves. A floresta também é essencial para o controle do aquecimento global, já que armazena dióxido de carbono, conforme lembra o relatório.

“Para cada hectare perdido, estamos um passo mais próximos dos desastrosos cenários projetados para o aquecimento global”, diz Frances Seymour.

Além dos dados sobre o Brasil e a Indonésia, o levantamento mostrou a realidade de países como a República Democrática do Congo, a Colômbia, a Bolívia e o Peru, que também tiveram aumento no desmatamento de florestas primárias desde 2002.

Na Colômbia, especialmente a partir de 2016, o aumento do desmatamento é visto como um reflexo do processo de paz do governo com as Farc, guerrilha que ocupava as florestas. Com o fim da luta armada, abriu-se espaço para a exploração econômica da Amazônia colombiana.

Outro país que apresentou resultados alarmantes foi Madagascar, com perda de 2% de florestas primárias, percentual maior do que qualquer outro país tropical.

“Não é incomum que a perda de áreas de floresta seja associada à morte, porque a cada ano centenas de pessoas são assassinadas tentando impedir a atividade ilegal de madeireiros e garimpeiros”, destaca ainda Frances Seymour.

Exemplo da Indonésia

O sucesso da Indonésia em diminuir o desmatamento no país mostram como as políticas públicas podem impactar positivamente na proteção do meio ambiente.

Além disso, um acordo firmado entre a Indonésia e a Noruega, com o objetivo de promover uma compensação pela redução de emissões, também pode ter colaborado para o país passar a desmatar menos.

“Nós estamos levando a política ambiental a sério. No nosso país, várias empresas foram punidas ou receberam alertas do governo, então estamos nos esforçando para garantir o cumprimento da lei”, diz Belinga Margono, do Ministério de Meio Ambiente da Indonésia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ATO DE AMOR

GENEROSIDADE

MOÇAMBIQUE

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO

CONSUMO CONSCIENTE

PROTEÇÃO

AMOR PROFUNDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>