Pecuarista reconhece que o veganismo veio para ficar


McCullough: “Os agropecuaristas precisam parar de alegar que se tivéssemos que depender de veganos para alimentar o mundo, todos iríamos passar fome. É uma fraca tentativa de ignorar a realidade” (Damien Eagers/INM)

O pecuarista e jornalista irlandês Darragh McCullough publicou hoje um artigo no jornal Irish Independent destacando que, na sua concepção, o veganismo veio para ficar, e que a redução do consumo de alimentos de origem animal é uma realidade que tende a se solidificar cada vez mais. Segundo McCullough, que é referência no meio rural irlandês, está na hora da comunidade agropecuária para de fazer “acusações idiotas” sobre o veganismo.

“Os agropecuaristas precisam parar de alegar que se tivéssemos que depender de veganos para alimentar o mundo, todos iríamos passar fome. É uma fraca tentativa de ignorar a realidade”, critica.

E acrescenta: “Igualmente, alegações de que você não pode obter nutrientes suficientes em uma dieta vegana ignora o fato de que uma grande parte da população mundial em lugares como a Índia tem efetivamente vivido de uma dieta vegetariana por séculos.”

McCullough, que atua no ramo de laticínios, destaca que sempre fica irritado quando alguém questiona o que aconteceria com os “animais de fazenda” se o mundo se tornasse vegetariano.

“Isso é um absurdo, já que a única razão pela qual bilhões de bovinos, ovelhas, cabras, aves e outros animais são criados é porque há um mercado para eles. O mundo nunca vai mudar para uma dieta vegetariana da noite para o dia, de modo que encontrar um número assustador de animais vagando pelas estradas do mundo é apenas um pesadelo mal concebido por um consumidor de carne”, reprova.

O pecuarista e jornalista frisa também que o Parlamento Europeu está considerando a proibição do uso de termos como hambúrguer, linguiça e bife para qualquer alimento que não seja de origem animal – o que ele considera uma bobagem que segue na mesma esteira dos lobistas da indústria da carne nos Estados Unidos:

“A teoria é que a indústria de laticínios está perdendo as vendas para todas as alternativas aos lácteos, como soja, amêndoas e aveia porque não agiu rápido o suficiente para impedir que outras empresas usassem a palavra leite. Mas você pode ver o quanto isso é sem sentido se pensar que o leite de coco sempre foi conhecido como, er, leite.”

Darragh McCullough lembra que ao revelar em um recente artigo que cuscuz é parte regular da sua dieta, seus colegas da pecuária reagiram com estranhamento: “Aceite que estilos de vida e preferências mudam. Aposto que essas mesmas pessoas hoje comem menos carne do que há 10 anos.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CATIVO EM ZOO

CRIME AMBIENTAL

RESPONSABILIZAÇÃO

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

ESCRAVIDÃO

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>