DIA DO JORNALISTA

O trabalho jornalístico e a luta em defesa dos direitos animais

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O Dia do Jornalista, comemorado em 07 de abril, foi instituído em 1931, por decisão da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), como homenagem ao médico e jornalista Giovanni Battista Líbero Badaró, morto por inimigos políticos em 1830.

Uma profissão intrinsecamente definida pela missão de informar e formar conceitos, modificar pensamentos, construir valores e trazer a realidade em forma de notícias para a população, a maioria delas, utopicamente falando, fundamentais para o desenvolvimento da consciência crítica e tomada de decisões.

Pelas mãos e atualmente dedos (teclas de computador) dos jornalistas, as informações, os fatos, se tornam notícias, essas notícias viajam o mundo, alcançam pessoas, criam novas perspectivas, mudam crenças e abrem mentes.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Jornalistas do mundo todo dedicam suas vidas à missão de investigar, descobrir, trazer a luz os mais variados, polêmicos e muitas vezes trágicos fatos.

O jornalismo animalista ou abolicionista pelos animais, tem como missão a conscientização da população sobre a posição real destes seres, que dividem com a humanidade o planeta, porém são subjugados e explorados ao bel prazer do ser humano.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

É por meio do jornalismo de canais como a ANDA, a primeira agência de notícias dedicada inteiramente aos direitos animais – que corajosamente assumiu a função de impactar e mudar a pauta da mídia nacional – que mais e mais pessoas têm acesso à real situação desses seres não-humanos, capazes de amar, sofrer e compreender o mundo ao seu redor, mas que tem sido explorados, usados e mortos indiscriminadamente desde tempos imemoriais.

Compromissado com a verdade e a justiça, o jornalismo animalista traz a luz o sofrimento de animais que, graças a uma crença dominante chamada “especismo”, espalhada por todas as camadas da sociedade, faz crer que o homem é superior a todos os habitantes do planeta, sejam animais ou plantas, e assim sendo pode dispor deles como bem desejar.

Desta forma, seres cuja senciencia foi cientificamente comprovada, plenamente capazes de sofrer os horrores de passar a vida inteira fechados em gaiolas ou celas minúsculas, sem ver o sol, sem andar na grama, sem poder muitas vezes sequer se mexer direito, tem sua dignidade desrespeitada, seu leite roubado, sua carne comercializada, seus ovos tirados, seus filhos afastados e suas vidas levadas de formas cruéis e inimagináveis.

Caracterizado fortemente pela denúncia e conscientização, é por meio da divulgação das condições em que vivem esses seres e de sua capacidade única de raciocínio, cognição e resposta aos mesmos estímulos que os humanos, que o jornalismo animalista busca proporcionar às pessoas elementos coerentes para a mudança de pensamento.

Animais não são inferiores aos seres humanos, animais são seres sensíveis, inteligentes, e merecem respeito, amor e proteção. Essa luta não é só dos jornalistas animalistas, mas de todos os seres humanos que desejam um mundo mais compassivo e justo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui