Algodão é a nova fonte de proteína vegana


Sementes contendo gossipol (esquerda) têm glândulas aparecendo como especificações pretas. As especificações das sementes de algodão Gossipol Ultra-Baixo (à direita) ainda estão lá, mas são muito mais leves, refletindo os níveis muito baixos de gossipol no caroço de algodão desregulado. Foto: Lacy Roberts | Texas A & M AgriLife

Buscar novas fontes de proteína tem sido o desafio de muitas empresas no mundo todo. A crescente demanda por produtos livres de ingredientes de origem animal impulsiona a mudança em diversos setores da insdústria tradicional, que não quer perder espaço no comércio.

A nova planta de algodão foi criada por cientistas da Texas A & M University, que trabalham em seu desenvolvimento há 23 anos. O Food and Drug Administration (FDA) ainda não aprovou o projeto, mas quando der o sinal verde, os agricultores poderão cultivar o algodão como proteína e fibra à base de plantas .

“Vai ter gosto de hummus. Não é nada desagradável”, disse Keerti Rathorne, professor do Texas A & M, Ph.D. em fisiologia vegetal.

Dr. Keerti Rathore, Texas A & M AgriLife Research biotecnólogo de plantas. Foto: Lacy Roberts | Texas A & M AgriLife

Ao longo de mais de duas décadas, Rathorne aprendeu a “silenciar” um gene em plantas de algodão transgênico que produzem uma toxina chamada gossipol. Sem o gossipol, a planta é supostamente segura para consumo humano.

Kater Hake, vice-presidente da Cotton Inc., que financiou o projeto além de fornecer pesquisa e marketing para produtores, diz que a produção comercial ainda está longe, mas que sementes de algodão, uma espécie de noz de árvore, são uma rica fonte de proteína. Se a produção comercial decolasse, 600 milhões de pessoas poderiam ser atendidas com a proteína vegana. As informações são do LiveKindly.

As sementes de algodão comestíveis também reduzirão os resíduos, pois o gossipol na planta padrão torna as sementes inúteis. Os agricultores que adotarem a cultura livre de toxinas estarão livres para vender as sementes para outros fins. Também poderia ser usado para substituir até a metade de toda a farinha de peixe. Estudos já comprovaram que peixes sentem dor e essa indústria é insustentável.

Tecnologia e bem-estar animal

Já é realidade a carne bovina cultivada em laboratório a partir de células animais. O processo é indolor para o animal, não existe abate e sua produção gera um impacto muito menos ao meio ambiente.

Embora ela ainda não esteja disponível no mercado, o governo americano já desenvolveu regulamentos para sua produção e distribuição.

Estima-se que a carnecultivada chegue às prateleiras dos supermercados em cinco anos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>