Filhote de Alabai morre durante voo da KLM Dutch Royal Airlines


Bear

A cada dia o número de incidentes com animais transportados por companhias aéreas cresce assustadoramente.

O mais recente e triste caso é o de um filhote de apenas cinco meses que morreu durante um voo da KLM Dutch Royal Airlines de Amsterdã para Los Angeles.

Uma família da Califórnia exige investigações depois que Bear, um pastor alabai, foi encontrado morto no compartimento de carga de um jato da empresa, no dia 19 de março.

O cão era um presente de  e estava a caminho da família Avetisian, em Pasedena, Los Angeles.

Duas crianças, Alex e Ani, estavam recebendo vídeos e fotos de ‘Bear’, que estava sendo enviado por amigos da família.

“Estávamos esperando meses para pegar o filhote e dar a ele um pouco de amor, meus filhos estavam esperando”, disse o pai, Andranik Avetisian à ABC 7 .

“Eu não sei. É muito difícil. É muito difícil para mim.”

Mas a revolta da família vem da falta de resposta por parte da companhia aérea e também por ter sido empedidos de ver o corpo do cachorro, quase uma semana após o incidente.

Evan Oshan, advogado da família, agora está buscando respostas da Polícia do Aeroporto e do promotor público.

“Queremos uma investigação criminal das circunstâncias que envolvem a morte de Bear”, afirmou Oshan.

A KLM explicou que eles haviam examinado o corpo do cachorro para garantir que não houvesse ameaça à saúde pública.

“Levamos muito a sério o bem-estar animal. O Departamento de Cargas da KLM está em contato com o tutor do cachorro e, por razões de confidencialidade do cliente, não podemos liberar mais detalhes sobre a investigação atual “, disse a companhia em um comunicado.

Outros casos

Semana passada, um husky siberiano que morreu dentro do porão de carga de um voo da Air France-KLM que saiu de Amsterdã com destino a Los Angeles.

Supostamente, o cão teria morrido por falta de oxigênio, na terça-feira (19). Um trabalhador da Air France disse ao site TMZ que o husky havia sido transportado de forma inadequada na aeronave e acabou perdendo oxigênio durante o voo sem escalas que durou 10 horas e 45 minutos.

No ano passado, um buldogue francês, chamado Kokito, morreu em um voo da United Airlines, entre Houston e Nova York, após uma comissária de bordo obrigar a tutora, Catalina Robledo, a colocá-lo no compartimento de bagagens de mão.

Em abril de 2017, um coelho gigante chamado Simon morreu enquanto viajava no porão de carga em um voo da United entre Londres e Chicago.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RESPEITO E AFETO

FINAL FELIZ

TRISTEZA

PUNIÇÃO

MAUS-TRATOS

SEGUNDA CHANCE

CENSURA

DESPERTAR

PROTEÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>