Porca come os filhotes após anos de exploração em fazenda de criação


Foto: One Green Planet/Reprodução
Foto: One Green Planet/Reprodução

Porcos explorados pela indústria de criação, são mantidos em condições precárias e muitas vezes sofrem durante toda a vida. Fazendas de reprodução forçada são verdadeiras fábricas de animais e chegam a manter até 10 mil porcos em caixas de gestação individuais desconfortáveis e apertadas, que mal permitem que os animais se movimentem. As porcas são mantidas desta maneira com o objetivo de procriar indefinidamente, suportando condições estressantes e em um ambiente insalubre.

Princesa, uma porca de 14 anos sofreu em uma situação como as descritas acima por mais de uma década. Ela era obrigada a ficar em uma baia escura, sozinha, onde não fazia nada além do que se reproduzir ao longo de todos esses anos.

Sem nunca ter visto a luz do sol, nem sentido um toque amoroso ou sequer ter a dignidade de um nome antes de ser resgatada, a porquinha sofria diariamente. Inevitavelmente, sua saúde mental foi se deteriorando e quando ela deu à luz recentemente a doze leitões, ela matou oito deles.

O fazendeiro que mantinha Princesa nessas condições cruéis conhecia Caitlin Cimini, fundadora do “Rancho Relaxo” (abrigo pra animais), que muitas vezes pedia a ele para deixá-la salvar a Princesa e levando-a dali. Ele finalmente concordou após este trágico incidente, quando ficou claro que a porca não serviria mais para os propósitos dele: ganhar dinheiro.

Quando Cimini encontrou Princesa restava apenas um filhote sobrevivente dos doze (o outro se afogou em uma tigela de água e dois nasceram mortos), ela sabia que precisava salvar o bebê também. Além das condições precárias de saúde mental de Princesa, a porca é portadora de necessidades especiais, ela é cega. Portanto, ambos exigiriam muita atenção e cuidado, coisa que um abrigo comum não poderia oferecer. A equipe do Rancho Relaxo então entrou em contato com o santuário Arthur’s Acres, que se prontificou a receber mãe e filho.

Agora, o Arthur’s Acres está proporcionando à princesa o amor e a atenção que ela nunca recebeu. A equipe do santuário deu a ela esse belo nome. Enquanto isso, Pistache, o único filhote sobrevivente, se desenvolve bem no Rancho Relaxo. Ele aprendeu a usar a caixa de areia em seu segundo dia, reorganizou seu cercadinho sozinho e se comunica de maneira excelente.

Foto: Arthur's Acres Sanctuary
Foto: Arthur’s Acres Sanctuary

Princesa e seu filho tiveram um final um final feliz. Pistache nunca saberá o tipo de sofrimento que sua mãe suportou, e Princesa viverá o resto de sua vida em segurança e desfrutando de uma paz que nunca conheceu antes.

Santuários como Rancho Relaxo e Arthur’s Acres existem para salvar a vida desses animais que merecem muito mais do que o tratamento exploratório e cruel a que são submetidos pela indústria de alimentos.

Para mãe e filho, a tortura, a exploração e a crueldade acabaram, mas existem milhões de porcos passando por sofrimentos atrozes em fazendas de criação e produção de embutidos e carne por todo o mundo.

Capazes de sentir, amar, sofrer, compreender e considerados pelos cientistas criaturas dotadas de inteligência ímpar, esses seres sencientes permanecem indefesos perante os interesses calculistas que movem os seres humanos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA

REVOLTA

AÇÃO SOCIAL

MÉXICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>