Carne cultivada em laboratório pode aumentar o número de testes em animais


Foto: Memphis Meats

Segundo a revista Business Insider, duas patentes da Memphis Meats, uma indústria de carnes cultivadas em laboratório recebeu apoio de especialistas em tecnologia, incluindo Bill Gates e Richard Branson, que “criariam tecido de frango e carne” usando a CRISPR – tecnologia que permite aos cientistas editar o DNA animal com relativa facilidade.

“Uma aplicação é fabricar músculo esquelético para consumo alimentar usando células da espécie Gallus gallus; outro é da espécie de gado Bos taurus ”, disse uma patente de Memphis Meats descoberta pela revista.

“Tecnologias como a CRISPR nos permitem aumentar com segurança a qualidade de nosso crescimento celular, o que significa que fabricaremos carne mais saborosa, saudável e sustentável que a carne abatida”, disse o co-fundador e CEO Brian Spears ao Business Insider .

Por um lado, o cultivo de carne bovina em laboratório a partir de células aliado a CRISPR parece ser um futuro promissor para os animais destinados ao abate para consumo humano, mas por outro, levanta a questão sobre os testes que serão feitos para sua produção.

A CRISPR, comparada a outros métodos, é uma maneira barata, relativamente simples e rápida de produzir animais transgênicos.

Cientistas garantem que ela é mais precisa do que os métodos tradicionais e ajuda a reduzir o número de animais em laboratórios. Segundo a organização Cruelty Free International, estas afirmações não são verdadeiras.

De fato, a CRISPR só poderá agravar os atuais problemas éticos e de bem-estar associados à produção de animais transgênicos simplesmente aumentando o número de animais transgênicos criados. Isso irá mais do que compensar quaisquer benefícios potenciais que possam surgir de sua possível maior eficiência no futuro.

Enquanto CRISPR pode ser mais eficiente e específico em gerar modificações genéticas desejadas, há evidências de que está longe de ser suficiente. Estudos demonstraram que a eficiência do CRISPR em inserir ou “bater” em um determinado gene em um animal é menor que 4% ou menor que 1%, enquanto a eficiência para deletar ou ‘ knock-out ‘um gene é em torno de 7% . Além disso, parece que CRISPR introduz mutações indesejadas ou ‘fora do alvo’ (além daquelas que são pretendidas). Embora o grau seja questionável, essas modificações genéticas não intencionais podem ser numerosas e podem ter consequências sérias.

Talvez ainda mais preocupante seja o uso crescente de CRISPR em animais maiores. Alguns cientistas pedem que sejam criados mais macacos ou cães geneticamente modificados, em um esforço para “consertar” modelos de roedores de doenças humanas que são cada vez mais reconhecidos como fracassos.

Felizmente, há cientistas que não apoiam a criação e o uso de cães e macacos geneticamente modificados (GM), e que os advertem tanto para razões científicas quanto para o bem-estar animal.

Em vez de tentar ‘melhorar’ os processos GM, é preciso desenvolver e alternativas como a cultura 3D de células-tronco humanas, organoides humanos e tecnologias de tecido / corpo-em-um-chip.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SOLIDARIEDADE

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO

VISIBILIDADE

CANADÁ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>