Cãozinho paraplégico rejeitado pelo tutor ganha cadeirinha de rodas


Neguinho passeando na nova cadeira de rodas — Foto: Lucas Odeque/Divulgação

Era para ser apenas por uns dias, mas Neguinho “veio para ficar”. Doente e paraplégico, o SRD de 1 ano e meio chegou à casa de Daiane Bitencourt apenas para se recuperar, porém, o amor foi crescendo e o que era para ser provisório tornou-se permanente.

“Eu aceitei o Neguinho mesmo sabendo que ele estava muito doente. Eu peguei muito amor pelo bichinho, cuidei dele com carinho, não seria justo da-lo para outra pessoa”, disse.

Neguinho quase morreu e chegou até a precisar de transfusão de sangue. Para entender como o cachorrinho chegou a esse ponto é necessário voltar a novembro do ano passado.

O dono do cão ligou para o grupo de amigos Patinhas de Amor, que cuida de cachorros abandonados em Nova Andradina, a 300 km de Campo Grande. De acordo com Claudia da Silva Nabarro Paiva, uma das coordenadoras do grupo, o rapaz disse que o animal tinha sido atropelado e que não queria mais saber dele.

“Ele falou, pode pegar o cachorro e levar embora, eu não quero ele assim mais, e inclusive se vocês quiseram podem fazer eutanásia” , comentou Claudia sobre a fala do rapaz.

O SRD foi levado para atendimento veterinário. No local, foi constatado que ele não havia sido atropelado. O cachorro na verdade estava anêmico, desnutrido, com várias doenças e com sinais de maus-tratos. O veterinário que o atendeu constatou que a paraplegia foi causada pela falta de alimentação e pelas doenças que o animal pegou ao longo da vida.

O grupo de amigos pensou na possibilidade de processar o tutor do animal, mas pela falta de provas preferiu não dar andamento.

“É muito revoltante isso, saber que o bichinho ficou paraplégico pelo ato criminoso de uma pessoa que não cuidou dele direito”, completou Cláudia.

Casa nova, vida nova

Na nova casa, Neguinho tem a companhia de três cadelinhas, todas também abandonadas e adotadas por Daiana. Como não se locomove, ele passa o dia deitado, no colo da tutora ou passeando com a cadeirinha de rodas. Segundo Daiana, essa é a parte que ele mais gosta.

“Ele virou o xodó da vizinhança, por onde passa chama atenção. Muita gente para e pergunta, alguns oferecem ajuda, outros querem fazer carinho, não tem como não amá-lo. Ele merece pelo tanto que sofreu” comenta Daiana.

Neguinho ainda está sob cuidados veterinários, toma remédios e faz tratamento intensivo. Existe a possibilidade dele voltar a andar. O grupo de amigos Patinhas de Amor existe há 5 anos e já resgatou mais de 100 animais.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE

TECNOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>