O Japão vem sendo duramente criticado por ativistas e simpatizantes da causa. As práticas bárbaras de caça e captura de golfinhos continuaram sem limites, particularmente em Taiji.

Na captura, os animais são perseguidos, atordoados e encurralados em uma enseada para que não possam escapar. Enquanto milhares deles são brutalmente mortos durante a caça, outros são escolhidos para serem explorados como entretenimento humano.

Ativistas dizem que alguns golfinhos se chocam com pedras e morrem, enquanto outros são assassinados por pescadores que empurram repetidamente uma longa haste de metal no corpo, logo atrás do furo, para danificar a medula espinhal.

A terrível prática foi filmada no documentário vencedor do Oscar de 2009 “The Cove”, que provocou polêmica quando colocou a caça anual no centro das atenções em todo o mundo.

O novo processo é o primeiro desafio legal para a caça em Taiji, de acordo com um advogado envolvido na causa. Ele argumenta que o método de caça viola a lei de bem-estar animal do Japão, que estipula que animais não devem ser abusados ​​ou mortos desnecessariamente e que – quando precisam ser mortos – sua dor deve ser minimizada.

“Muitos japoneses veem os golfinhos como peixes e erroneamente acreditam que o ato de bem-estar animal não se aplica a eles”, disse Ren Yabuki, chefe de uma ONG ambiental, que iniciou a ação junto com um morador de Taiji que pediu anonimato.

“Eu já vi muitas vezes que golfinhos sendo levados em pequenos barcos, se debatendo de dor”, disse Yabuki, acrescentando que pode levar dezenas de minutos para os animais morrerem.

Ele também afirma que os pescadores estão capturando mais golfinhos do que o permitido pelos limites legais. As informações são do Daily Mail.

Os golfinhos são tradicionalmente capturados por sua carne no Japão e os defensores da caça dizem que é uma parte importante da cultura local, ressaltando que os golfinhos não estão ameaçados de extinção.

Hoje em dia, um número crescente de golfinhos está sendo preso e vendido ao vivo para aquários, em vez de mortos, conforme a demanda aumenta da China ou de outros lugares, disse Yabuki.

A crueldade japonesa                           

Em dezembro do ano passado, o país chocou o mundo o anunciar sua saída da Comissão Internacional da Baleia para retomar à caça comercial como parte de sua herança cultural.

Outra triste notícia também foi divulgada pela ANDA em setembro de 2018: golfinhos estavam sendo brutalmente explorados para preparação das Olimpíadas de 2020, no Japão.

Os foram forçados a fazer truques para uma multidão, como um “evento de teste pré-olímpico”.

De acordo David Phillips, diretor executivo do Projeto Internacional de Mamíferos Marinhos  liderado pelo Earth Island Institute, o evento “é um lembrete crucial de como o governo japonês e o Comitê Olímpico Japonês estão explorando golfinhos e baleias, em desafio do resto do mundo”.

“Esses golfinhos passam fome fome para fazer os truques. Eles são mantidos em confinamento desumano em pequenos tanques de concreto altamente clorados. E, pior, eles foram capturados da maneira mais desumana possível, arrancados da natureza e de suas famílias e são assassinados sem piedade”, acrescentou.