P&G faz parceria com a HSI para proibir testes em animais para produtos cosméticos


Foto: Pixabay

A Procter & Gamble (P&G) se junta à campanha internacional  da Humane Society International #BeCrueltyFree Campaign, para proibir testes em animais para cosméticos.

“Temos o prazer de fazer parceria com a Humane Society International na busca pelo fim dos testes em animais para cosméticos. Tenho orgulho da paixão e experiência que nossos pesquisadores já contribuíram para esse objetivo”, disse Kathy Fish, diretora-chefe de pesquisa, desenvolvimento e inovação da Procter & Gamble em um comunicado.

“Eu sei que eles continuarão a ser uma força para o bem, fornecendo liderança e defesa para ajudar a alcançar nossa visão compartilhada”

A empresa acrescentou que “investiu mais de US$ 420 milhões ao longo de quarenta anos no desenvolvimento de métodos de testes que não envolvam animais”.

A campanha

A #BeCrueltyFree  foi lançada em 2012 com o objetivo de expandir o  precedente legal da União Europeia – a proibição de testes em animais na indústria cosmética e a venda de cosméticos recém animais testados – para países onde esta prática ainda é permitido ou mesmo obrigatória por lei.

O apoio da P & G à campanha incluirá programas conjuntos de educação e capacitação para alternativas que não envolvam animais, desenvolvimento contínuo de novas abordagens para avaliação de segurança e defesa do fim legislativo de testes em animais cosméticos nos principais mercados globais de beleza.

Por mais de duas décadas, P&G, HSI, HSUS , e o Fundo Legislativo Humane Society  têm colaborado no desenvolvimento e captação de regulamentar de métodos de ensaio sem animais. As organizações esperam que, reunindo suas forças complementares, alcancem o objetivo final mais rapidamente. Um foco importante será a aceitação de novos métodos pelos reguladores e o recrutamento de muitas empresas e governos em todo o mundo para adotar políticas e práticas públicas livres de crueldade.

Segundo o World Animal News, Dr. Harald Schlatter, da P&G Corporate Communications e Animal Welfare Advocacy, acrescentou: “Investimos mais de US$ 420 milhões ao longo de quarenta anos no desenvolvimento de métodos de teste que não envolvam animais. Nossos pesquisadores lideraram ou co-projetaram pelo menos vinte e cinco métodos livres de crueldade que substituíram os testes em animais de produtos cosméticos. A HSI e a HSUS têm sido parceiras poderosas no avanço global desses métodos”.

“O teste em animais para cosméticos não apenas causa sofrimento desnecessário aos animais, mas também representa uma ciência ultrapassada. Por mais de 20 anos, temos colaborado com a Procter & Gamble para promover o desenvolvimento e a aceitação regulamentar de abordagens de testes que não envolvam animais, mas para finalmente mudar a proposta de proibição de testes de cosméticos em lei nos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Chile, África do Sul e outros mercados influentes, precisamos do apoio ativo dos principais líderes do setor, como a P & G. ”, Afirmou Troy Seidle, vice-presidente de Pesquisa e Toxicologia da HSI.

“Com o poder das marcas domésticas da P & G, estou confiante de que podemos conseguir um fim legislativo para os testes com animais cosméticos em todo o mundo dentro de cinco anos”.

Marcas da P & G incluem:  Sempre , Recompensa , Charmin , Crest , Amanhecer , Downy , Febreze , Gain , Gillette , Head & Shoulders , Olay , Oral-B , Pampers , Pantene , Tide , Vicks , entre outras mais.

Proibições

Em 2018, a Compaixão Social na Legislação e o Comitê de Médicos pela Medicina Responsável co-patrocinaram o Projeto de Lei do Senado 1249, a Lei de Cosméticos sem Crueldade da Califórnia, com o apoio da Peace 4 Animals e World Animal News.

Foto: Pixabay

A legislação histórica sancionada em outubro do ano passado tornará ilegal para os fabricantes de cosméticos vender qualquer cosmético na Califórnia se o produto final ou qualquer componente do produto for testado em animais após 1º de janeiro de 2020, com algumas exceções para exigências regulatórias. As informações são do World Animal News.

Recentemente, a Austrália aprovou a lei que proíbe os testes em animais na indústria cosmética e a Índia anunciou o fim deles em pesquisas biomédicas.

Alternativas

A Organovo, uma empresa que produz tecido humano para testes medicinais e aplicações terapêuticas, está oferecendo uma alternativa ética às empresas de cosméticos que desejam acabar com os testes em animais.

Em 2015, a L’Oréal anunciou que estava experimentando o uso de pele humana impressa em 3D para testar seus cosméticos. A empresa de cosméticos francesa foi a primeira a anunciar tais intenções. No mesmo ano, a L’Oréal fez uma parceria com a Organovo. Esses tecidos impressos em 3D imitam a forma e a função do tecido nativo no corpo, aumentando a precisão dos resultados dos testes realizados.

Segundo a PETA, entre 100 mil a 200 mil animais – incluindo coelhos, cobaias, hamsters, ratos e camundongos – sofrem e morrem em cruéis experimentos realizados pela indústria de cosméticos a cada ano em todo o mundo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA

ATROCIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>