Cadelinha muito doente que seria sacrificada tem uma nova chance de ser feliz


A história de Rosie é mais uma daquelas que vemos todos os dias em todos os lugares: dor, fome, sede, abandono e sofrimento.

Foto: St. Charles Parish Animal Shelter

Em setembro do ano passado, Micah St. Amant, um oficial de controle de animais, estava patrulhando a rodovia 3127, em Luling, no Texas e notou algo pequeno em movimento. Ele checou mais e, embora ela estivesse fraca demais para ficar em pé, uma cadelinha conseguiu levantar a cabeça. As informações são do Nola.

Imediatamente, a filhote foi levada à Dra. Jena Troxler, veterinária e gerente do Escritório de Controle de Animais da paróquia de St. Charles, que aconselhou a eutanásia humana como uma opção justa para aquela pequena menina que já era chamada de Rosie pela St. Charles Parish Animal Shelter.

Rosie tinha anemia severa, ancilostomídeos, vermes nemátodos, dirofilariose  e desnutrição extrema. Ela não tinha forças mas lutou para comer meia lata de comida de cachorro. Troxler e a equipe estavam determinados a ajudar aquela menininha que mostrava tanto coragem.

“Tratamos uma grande variedade de casos médicos, mas Rosie foi o caso mais extremo de fome que lidamos em uma década”, disse Troxler.

Foto: St. Charles Parish Animal Shelter

“Ela piscava e engolia a seco sem conseguir mexer outro músculo. O fato de ela poder comer e não precisar de um tubo de alimentação nos inspirou a dar uma chance a ela. Com a integração do meu treinamento em medicina ocidental e da medicina oriental do Dr. G do Vet Naturally, nós colaboramos para dar a ela todas as chances de sobreviver”.

“Ela foi monitorada 24 horas por dia com cuidados e alimentação por três semanas, mas verdadeiramente, depois de 72 horas, ela progrediu de alguma forma todos os dias. Ela se transformou em uma cadela muito ligada a seus cuidadores e com o tempo construiu sua confiança.

Com a ajuda da St. Charles Humane Society, que pagou os suprimentos médicos, uma transfusão de sangue, desparasitação, fluidos IV e cuidados de suporte, Rosie continuou recebendo apoio e atenção médica. A recuperação foi lenta mas o sofrimento já havia passado e um final feliz estava próximo.

Londa Elliott, de Metairie, foi a Luling para encontrar um novo amigo para Coby, seu cachorro que se sentia muito sozinho.

Foto: St. Charles Parish Animal Shelter

O primeiro cachorro escolhido não parecia gostar de gatos. Então, ela deu uma chance a Rosie. Gatos não a incomodam, então ela foi selecionada.

Elliott disse: “Eu não sabia nada sobre Rosie, mas eu a quero. “Rosie é muito amorosa e é a coisa mais doce. Ela gosta de ser abraçada”.

Ela está agora em sua casa, feliz e em segurança.

A St. Charles Humane Society

Em 1993, um grupo de amantes de animais da paróquia St. Charles criou a instituição preocupados, na época, com a excessiva quantidade de eutanásias em animais. Desde a sua fundação, as eutanásias diminuíram devido ao aumento da adoção dos animais, desenvolvendo um programa de esterilização e assegurando que a limpeza do abrigo seja mantida de acordo com os padrões de controle.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO

PRESERVAÇÃO

DESESPERO

CONSOLO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>