CHAS NEWKEY-BURDEN

Veganos não devem se preocupar em parecer ‘extremos’, é a exploração animal que é extrema

"Quando há uma situação urgente nós geralmente vamos além e fazemos tudo o que for preciso, paramos de nos preocupar com o que as pessoas vão pensar de nós"

porcos enjaulados
Foto: We Animals

Imagine que você está se afogando em uma piscina cercada de pessoas. Você grita e faz o que puder para conseguir ajuda? Ou você, educadamente e conscientemente, levanta a mão, esperando que alguém perceba?

porcos enjaulados
Foto: We Animals

E se uma criança cair no trilho do trem e um trem estiver chegando? Você grita, acena e tenta parar o maquinista? Ou você se preocupa que as pessoas possam pensar que você está exagerando?

Situações extremas

Situações extremas exigem respostas extremas. Quando há uma situação urgente – tal como uma ameaça à vida – normalmente iremos mais além e faremos tudo o que for preciso. Nós deixamos a nossa vaidade de lado e paramos de nos preocupar com o que as pessoas vão pensar de nós. E embora pareça óbvio dizer isso, ainda vejo muitos veganos preocupados com o fato de parecerem “extremos demais” se falarem abertamente sobre a matança de 70 bilhões de animais terrestres a cada ano, e sobre as incontáveis mortes dos ​​peixes e outras criaturas marinhas.

Houve um tempo em que recebi alguns tapinhas nas costas por não ser como “aqueles” veganos. Amigos me disseram que eu era “legal” porque eu não “enchia o saco” sobre o assunto. E isso me incomodou porque eu sabia o que eles realmente estavam dizendo: “Minha consciência não está sendo perturbada, então eu posso continuar a comer carne sem me sentir mal”.

Bem, logo me tornei como “aqueles” veganos. Eu redescobri minha paixão pelo ativismo, por levantar questões e fazer barulho – e angariar fundos para os santuários de animais, que eu considero tão importantes. Eu também tenho escrito algumas exposições de impacto para jornais nacionais, destacando o que realmente acontece nas indústrias de carne e laticínios, além de fazer campanhas.

O “tipo certo” de vegano?

Teria sido mais fácil aceitar elogios de comedores de animais por ser o “tipo certo” de vegano, mas nunca quis levar uma vida fácil. Eu prefiro dizer a verdade – e isso está fadado a desestabilizar algumas consciências quando nossa espécie está fazendo coisas realmente horríveis.

Estamos no meio de uma situação muito extrema. Cada vez mais nos últimos 100 anos, nossa espécie mecanizou a reprodução e a matança de nossos primos animais. Agora eles venderão as asas de uma ave por apenas alguns centavos. Uma perna de um filhote de ovelha. Porcos inteiros cortados em partes. Bilhões de animais que só conheciam a vida em sua gaiola, até chegarem ao matadouro. Fazendas de laticínios onde o leite das vacas é roubado. Fábricas de ovos onde as galinhas são exploradas como máquinas.

Claro que parece extremo. O que está acontecendo é extremo. Se não parece extremo, você está menosprezando fatos.

Silenciados

Nós não devemos deixar que as pessoas nos silenciem. Tomemos por exemplo o termo “floco de neve”. Em alguns círculos, no momento em que alguém sugere uma abordagem mais compassiva para qualquer coisa, um cafajeste sempre aparece para chamá-lo de “floco de neve”. E agora há “fake news” também. Se você revelar um fato desconfortável em 2019, algum idiota vai gritar “fake news” para você.

As pessoas que gritam “floco de neve”, “fake news” ou “vegano extremista” estão fazendo isso para tentar acabar com você. Eles esperam que você fique quieto da próxima vez. E é uma estratégia eficaz em nossa era de autoconsciência sobre nossa imagem, quando parece que as pessoas estão cada vez mais obcecadas com elas mesmas e com sua “marca pessoal”.

Mas vou dizer de novo: situações extremas exigem respostas extremas. Enquanto bilhões de animais estão sendo escravizados, abusados ​​e explorados, não devemos ter medo de perturbar o status quo. Quando as mulheres conseguiriam o direito ao voto se tivessem sido “educadas” e pedido licença antes de falar?

Deixe as pessoas nos chamarem do que quiserem. É sobre levá-las a pensar mais sobre os animais que elas comem e a ética envolvida nisso, o que eles pensam de nós não importa.

Então eu digo: ignore os insultos e continue dizendo a verdade. Tenha fatos e links para compartilhar. Não importa se você é rotulado como extremista por simplesmente dizer a verdade. Só importa que você continue!

Chas Newkey-Burden é um jornalista e escritor vegano. Ele escreveu 29 livros, incluindo biografias de Taylor Swift, Adele e Amy Whinehouse. Atualmente ele escreve para o The Guardian, The Daily Telegraph, The Independent e outros jornais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui