CONFINAMENTO

Personal trainer faz ‘rotina de exercícios’ para denunciar maus-tratos às baleias no SeaWorld

A personal trainer Kathy Kaehler lançou um vídeo paródia de uma rotina de exercícios para as baleias do SeaWorld, denunciando os maus-tratos que lá ocorrem

baleia orca se apresentando em um tanque
Foto: Live Kindly

A especialista em saúde, autora e personal trainer Kathy Kaehler criou uma “rotina de exercícios” para as orcas em cativeiro no parque marinho SeaWorld. Feito em parceria com a organização de direitos animais PETA, o vídeo de Kaehler destaca o quão pequeno os tanques do SeaWorld realmente são e quão deprimente pode ser a vida de suas orcas.

baleia orca se apresentando em um tanque
Foto: Live Kindly

Os movimentos incluem nadar em círculos minúsculos porque, como Kaehler observa, a fim de igualar a quantidade de natação que uma orca selvagem faz em um dia, uma orca cativa teria que nadar 4 mil voltas ao redor de seu tanque.

As baleias costumam ranger os dentes também. Muitas orcas em cativeiro têm problemas dentários porque “vivem em um ambiente tão estéril e estressante”, observa Kaehler. As baleias também choram e sofrem pela perda dos seus bebês, já que as orcas são inseminadas artificialmente e depois separadas de seus filhos, que muitas vezes são levados para diferentes parques.

Finalmente, Kaehler instrui orcas cativas a fazer um movimento de resfriamento que envolve “flutuar de forma desanimada”. Ela explica: “Esse é um comportamento visto apenas em orcas cativas, nunca na natureza. Isso é por causa do seu tanque tratado quimicamente, que é um lugar sem esperança e muito deprimente.”

“Esses são todos os movimentos que eu posso mostrar”, conclui ela. “Porque até o SeaWorld enviar os animais para um santuário à beira-mar, isso é praticamente tudo que as orcas do SeaWorld podem fazer. Bem, além de morrer muito mais cedo do que na natureza, elas também poderiam fazer isso”.

O vídeo de Kaehler reflete a mudança da opinião pública do SeaWorld à medida que as pessoas se tornam mais conscientes da vida trágica que esses animais levam em cativeiro.

Nos últimos 12 meses, as vendas de ingressos e os lucros caíram e parcerias com grandes empresas de viagens e companhias aéreas foram cortadas. Em agosto, tanto a WestJet quanto a Air Canada cortaram os laços com o SeaWorld devido a preocupações com o cativeiro de mamíferos marinhos. Em fevereiro, a gigante empresa de viagens Thomas Cook encerrou toda a promoção da empresa e, em julho, encerrou completamente a venda de ingressos.

“Sou franco sobre o tipo de negócio que queremos ser”, disse Peter Fankhauser, presidente-executivo da Thomas Cook, em um comunicado na época. “É por isso que introduzimos nossa política de bem-estar animal há 18 meses, e é por isso que tomamos essa decisão hoje. E quando muitos de nossos clientes são tão claros em sua visão, eu não podia permitir que nossos negócios os ignorassem.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui