MAUS-TRATOS

Família prende um macaco numa jaula minúscula durante 6 anos na Tailândia

A gaiola era tão pequena que Me Boon não podia dar dois passos sem bater em uma parede - mas o macaco ficou preso dentro dela por seis longos anos.

o macaco dentro da jaula
Foto: WFFT

A equipe da Wildlife Friends Foundation Tailândia (WFFT) recebeu um telefonema de uma família local que mantinha Me Boon, um macaco de cauda longa, como um animal doméstico.

o macaco dentro da jaula
Foto: WFFT

Enquanto a família supostamente cuidava de Me Boon, alimentando-o com leite e frutas todos os dias, eles o colocaram em uma jaula pequena e suja ao ar livre que seria essencialmente sua prisão pelos próximos seis anos – e Me Boon sofreu muito. Ele exibiu padrões de comportamento como inquietude e batia a cabeça nas paredes da jaula, que são sinais de estresse extremo em animais enjaulados.

“Imagine isso acontecendo com você ou eu,” disse Tom Taylor, diretor-assistente da WFFT. “Trancado numa jaula por seis anos, sozinho sem outro humano à vista.”

a jaula enferrujada onde o macaco era aprisionado
Foto: WFFT

Quando a WFFT foi para resgatar Me Boon, a equipe teve problemas para tirá-lo da jaula. “Ele ficou preso por tanto tempo que a gaiola grudou com a ferrugem”, escreveu Taylor em um post no Facebook. “Demoramos algum tempo para abrir a porta.”

Eles finalmente abriram a porta, tiraram Me Boon de lá e o levaram para o centro de resgate e reabilitação da WFFT. “Me Boon foi bem alimentado, mas não tinha como fazer exercício, então está muito acima do peso”, escreveu Taylor no Facebook. “A falta de espaço na jaula também pode ter entortado um de seus pés para dentro. Ele não será o melhor escalador ou saltador.”

o macaco Me Boon no centro de reabilitação
Foto: WFFT

Apesar de tudo o que ele passou, Me Boon já está se sentindo melhor no centro de resgate da WFFT.

“Ele tem espaço para se alongar, brincar, relaxar e aprender a ser um macaco”, escreveu Taylor no Facebook. “Ele gosta especialmente de se sentar em um canto alto de seu novo recinto, com vista para um campo de macacos separado, cheio de amigos em potencial. Ele é muito curioso sobre eles e os observa o dia inteiro.”

“É provável que ele nunca tenha visto ou interagido com outros macacos antes em sua vida, pois foi cuidado por seres humanos desde a infância”, acrescentou Taylor. “Depois de um período de aclimatação, esperamos emparelhá-lo com uma família de seus [macacos]”.

o macaco Me Boon no centro de reabilitação
Foto: WFFT

Enquanto Me Boon está recebendo uma segunda chance, muitos outros macacos não têm tanta sorte. Em todo o Sudeste Asiático, os macacos são frequentemente capturados na natureza para serem mantidos como animais domésticos ou explorados na indústria de entretenimento como “macacos dançantes”. Quando se tornam difíceis de lidar, são acorrentados ou enfiados em gaiolas, onde às vezes passam suas vidas inteiras.

Infelizmente, os macacos selvagens também são caçados por causa da culinária e da medicina tradicional, e até vendidos para instalações de pesquisa científica em todo o mundo para serem explorados em experimentos. Mas a vida de Me Boon está indo para um caminho diferente. Embora ele não seja elegível para ser solto na vida selvagem, ele viverá uma vida feliz no centro de resgate da WFFT.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui