Quatro elefantes morrem em um zoológico no Missouri, EUA


Max foi o último elefante morto no zoológico Grant’s Farm, no Missouri, EUA, mas está longe de ser o primeiro. Neste ano de 2018 já morreram quatro elefantes neste zoológico e três deles morreram em novembro.

Elefante-africano
Foto: Getty Images

O zoológico Grant’s Farm declarou que Max e Toby morreram de causas desconhecidas. Mickey possuía um tumor cerebral, mas não foi esclarecido se esta foi a causa de sua morte. No começo deste ano, um elefante chamado Bud morreu de pneumonia.

A PETA está pedindo a transparência da instituição sobre o que causou a morte dos elefantes e também solicita que a autópsia e os registros veterinários sejam expostos ao público.

O elefante Max morreu com apenas 15 anos, décadas antes de atingir a expectativa de vida de um elefante de sua espécie. Ele nasceu em cativeiro no Riddle’s Elephant and Wildlife Sanctuary em Arkansas, EUA. Seus pais foram levados aos Estados Unidos no mesmo navio que transportou o elefante Nosey, da Nosey’s Law.

Scott Riddle, dono da instalação onde Max nasceu, é notório por seus métodos de treinamento cruéis. Em 1986, uma elefante chamada Twinkles morreu de um ataque cardíaco induzido pelo estresse depois de ter sido acorrentada, torturada e eletrocutada pela equipe de Riddle, que incluía Gary Jacobson, treinador do circo Ringling Bros.

Riddle e Jacobson também estavam envolvidos na horrível morte de um elefante chamado Tumai, que foi mantido acorrentado e estirado sob o sol quente durante semanas, como um castigo para “discipliná-lo”.

Os zoológicos dos Estados Unidos agora aceitam a impossibilidade de atender às complexas necessidades desses animais em cativeiro, e muitos encerraram a exploração de elefantes. Felizmente, Grant’s Farm concordou em não condenar mais elefantes a uma miserável vida em cativeiro. Max foi o último elefante a ser explorado nesse zoológico, infelizmente teve seu fim trágico em cativeiro.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO

CONSUMO CONSCIENTE

PROTEÇÃO

AMOR PROFUNDO

ÍNDIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>