Ambientalista denuncia caça de animais silvestres no Rio Grande do Sul


Um ambientalista, convidado por engano para participar de grupos de WhatsApp sobre caça, denunciou o extermínio de animais silvestres, por parte de caçadores, no Rio Grande do Sul. Os grupos também são usados para compra e venda de munição contrabandeada do Uruguai e de armas.

(Foto: Pixabay)

Os nomes dos grupos são relacionados à caça do javali, permitida pelo Ibama em todo o Brasil desde 2013 e no Rio Grande do Sul desde 2005. O conteúdo das mensagens trocadas pelos caçadores, no entanto, confirmam o que já havia sido apontado por defensores dos animais: a liberação para a caça do javali não só é cruel por tirar a vida do animal e fazê-lo sofrer, como também facilita a prática da caça de outras espécies. Isso porque o material compartilhado nos grupos mostra que caçadores autorizados a caçar javali matam outros animais, como veados, tamanduás, mão-peladas, quatis e tatus. As informações são do portal G1.

“Tem muito caçador legalizado para caça do javali que, na verdade, não caça javali. Eles caçam a fauna silvestre e ainda exibem como se fosse uma brincadeira, uma diversão matar os animais”, denuncia o ambientalista. Nos grupos, participantes ensinam como se deve encaminhar a solicitação do registro para caça do javali no Exército no Ibama e até enviam fotos e vídeos das documentações.

Os dados divulgados pelos órgãos em relação aos caçadores são contraditórios. O Ibama afirma que há 32,1 mil caçadores registrados, enquanto o Exército divulga um número que chega a quase 70 mil. O Rio Grande do Sul é o estado com mais registros.

O coordenador de biodiversidade do Ibama, João Pessoa Moreira Junior, admite que o número de 100 servidores do Ibama é insuficiente para dar conta da fiscalização.

Os vídeos compartilhados nos grupos e as gravações feitas pelo ambientalista infiltrado foram entregues ao Ministério Público do Rio Grande do Sul. Uma investigação foi aberta.

“Meu objetivo é que as autoridades tomem alguma providência”, concluiu o ambientalista.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESMATAMENTO

BARBÁRIE

PRESSÃO INTERNACIONAL

INVOLUÇÃO

UNIÃO

PREVENÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>