População de renas cai em mais da metade no Ártico


De acordo com pesquisas, a população de renas selvagens no Ártico caiu em mais da metade nas últimas duas décadas.

Um novo relatório sobre o impacto da mudança climática no Ártico revelou que os números caíram de quase 5 milhões para cerca de 2,1 milhões de animais.

Ele foi divulgado na reunião da American Geophysical Research Union. Os dados revelaram como os padrões climáticos e as mudanças na vegetação estão tornando a tundra do Ártico um lugar menos hospitaleiro para a espécie.

As renas e os caribus são da mesma espécie, mas os vastos rebanhos selvagens no norte do Canadá e no Alasca são chamados de renas.

São esses rebanhos que estão sendo mais prejudicados, de acordo com cientistas que monitoram seus números.

Alguns rebanhos diminuíram em mais de 90% – “declínios tão drásticos que a recuperação não está à vista”, afirmou este Boletim do Ártico.

Mais da metade da população das renas no Ártico caiu devido a consequências da mudança climática (Foto: Pixabay)

Howard Epstein, um cientista ambiental da Universidade da Virgínia e um dos pesquisadores científicos do Boletim do Ártico, disse à BBC News que o aquecimento na região não mostrou sinais de que irá diminuir.

“Nós vemos um aumento da seca em algumas áreas devido ao aquecimento do clima, e o aquecimento em si leva a uma mudança de vegetação”.

O líquen que o caribu gosta de comer cresce no nível do solo. “O aquecimento significa que outras vegetações mais altas estão crescendo e os líquenes estão sendo superados”, disse ele à BBC News.

Outra questão é o número de insetos. Ele afirma que os climas mais quentes significam apenas mais insetos no Ártico.

“Se está quente e com pouco vento, os insetos são opressivos e as renas gastam energia tirando os insetos de seu corpo ou encontrando lugares onde possam se esconder dos insetos”.

A chuva também foi apontada como um problema. O aumento das chuvas no Ártico, muitas vezes caindo em solo nevado, leva a camadas geladas duras e congeladas que cobrem a vegetação que as renas se alimentam.

Essa camada criada pela chuva impossibilita os animais de passarem seus narizes para alcançar sua comida.

O Boletim do Ártico revelou que a região estava entrando em território desconhecido devido às mudanças climáticas.
Mas os cientistas dizem que abrimos a porta para o “congelador do mundo” e a crescente evidência sugere que o aquecimento no Ártico continuará.

O objetivo desta e de outras pesquisas na região é entender seus impactos e aprender como se adaptar a um clima em mudança.

O relatório, compilado pela Administração Nacional Oceanográfica e Atmosférica dos EUA (Noaa), está agora em seu 13º ano e a gerente do programa de pesquisa do Ártico, Emily Osborne, disse que a região agora está em “território inexplorado”.

“Em todos os anos de publicação do boletim, vemos a persistência do aquecimento continuar a subir”, disse ela. “E isso está contribuindo para eventos climáticos extremos em outras partes do mundo”.

Alguns outros pontos-chave do relatório incluem:

Poluição por plásticos: uma pequena contaminação por microplásticos está em ascensão no Ártico, representando uma ameaça às aves marinhas e à vida marinha que pode ingerir detritos.
Temperatura do ar: Nos últimos cinco anos (2014-18), as temperaturas superaram todos os recordes anteriores desde 1900.
Descarga do gelo do mar: Em 2018, o gelo do mar Ártico permaneceu mais jovem, mais fino e cobria menos área do que no passado.
Florações tóxicas: As condições do Oceano Ártico estão coincidindo com uma expansão das proliferações de algas nocivas no oceano, que ameaçam as fontes de alimento.

Cientistas revelaram que as geleiras da Antártida Oriental começaram a “acordar” e mostrar uma resposta ao aquecimento. Esta é uma evidência de mudanças sem precedentes motivadas pelo clima no topo e no fundo do planeta.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESMATAMENTO

BARBÁRIE

PRESSÃO INTERNACIONAL

INVOLUÇÃO

UNIÃO

PREVENÇÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>