Chanel promove primeiro desfile sem pele de animais nos EUA


A escolha da ala Sackler do Metropolitan Museum of Art, o MET, em Nova York (EUA), mais precisamente do Templo de Dendur, já dava os indícios posteriormente confirmados: a Chanel foi buscar no Egito antigo a inspiração para sua nova coleção, “Métiers d’Art” (intermediária, entre a alta-costura e a prêt-à-porter), apresentada na última terça (4).

(Foto: Angela Weiss / AFP)

O que lançou mais luzes sobre o evento foi o fato de a maison ter anunciado que o desfile marcaria a primeira coleção da grife sem couro de animais exóticos, como jacarés, lagartos e cobras. Os artigos, como bolsas, casacos e sapatos, eram vendidos por até € 9.000. A associação de direitos dos animais Peta comemorou: “Não há nenhum sinal de modernidade na utilização de peles roubadas de animais atormentados”, informou. “Está claro que chegou o momento de todas as marcas, como a Louis Vuitton, seguirem o exemplo da Chanel, passando a utilizar materiais inovadores, em vez de pele animal”, acrescentou.

“Estamos vivendo uma era de preservação, e a Chanel é uma marca das mais importantes de alto luxo do mundo. Ela se posicionar assim é reforçar que quer estar ‘saudável’ no mercado”, comenta a consultora de moda Cláudia Antunes Lopes, e entusiasta da grife.

Outro destaque é que a maison trouxe mais peças para os homens, apresentadas principalmente pelo cantor Pharrell Williams. “Ficou evidente que a Chanel está entrando com tudo nesse mercado, se reposicionando”, pondera Cláudia.

Relembre outras grifes que baniram o uso de pele animal recentemente

  • Hugo Boss. Há três anos, a grife parou de usar pele animal. “Com nossos produtos, demonstramos que é possível ser diferenciado e luxuoso, levando em conta questões éticas e ambientais”, informou, à época.
  • Armani. Em 2016, Armani Privé, Giorgio Armani, Emporio Armani e Armani Exchange passaram a não ter mais pele animal nas coleções. “O progresso tecnológico nos permite alternativas”, informou.
  • Gucci e Michael Kors. Em outubro de 2017, a grife italiana garantiu que não ia mais usar pele nas coleções. No mesmo ano, a Michael Kors fez anúncio similar, abrindo, inclusive, mão de uma de suas marcas.
  • Versace. A Chanel não foi a única a aderir à questão neste ano. No primeiro semestre, Donatella Versace disse que as novas coleções de suas marcas não serão mais feitas com pele animal.

Fonte: O Tempo


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA

ATROCIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>