Cremação de cão morto no Carrefour de Osasco (SP) prejudica investigação


A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um cachorro no Carrefour de Osasco (SP). O corpo do cão ter sido cremado, no entanto, está prejudicando a investigação sobre o caso. Relatos apontam que um funcionário da empresa, da área de segurança, agrediu o cachorro de forma brutal após receber orientação para que o animal fosse retirado do local. Há, também, a suspeita de que ele tenha sido envenenado.

Relatos apontam que cachorro foi brutalmente agredido (Foto: Redes Sociais)

Havia uma expectativa de que um laudo determinasse a causa da morte do animal. No entanto, devido à cremação do corpo, tornou-se difícil comprovar se o cão sofreu agressões ou foi envenenado. O responsável por cremar o cachorro foi o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do município, que alega ter tomado tal providência por não ter, no momento do resgate do animal, informações sobre os maus-tratos, mas apenas a versão de que o cão havia sido atropelado. As informações são do blog Bom Pra Cachorro, da Folha de S. Paulo.

O cachorro foi levado, na última quinta-feira (29), ainda com vida, pelos funcionários do CCZ, mas não resistiu. Relatórios sobre o atendimento do animal apontam sinais de envenenamento, segundo o delegado Bruno Lima, eleito deputado estadual pelo PSL, e que está acompanhando a investigação sobre o caso.

Imagens do cachorro ferido com manchas de sangue pelo chão e do animal sendo socorrido, com grande quantidade de sangue ao redor dele, circularam nas redes sociais nos últimos dias e geraram revolta nos internautas, além de um protesto por parte de ativistas.

“Consta que o animal chegou com sinais clínicos de envenenamento. Não tem a necropsia porque o corpo já havia sido incinerado, pois a denúncia de espancamento só veio depois – até então o Centro de Bem Estar Animal acolheu como caso de atropelamento”, explica a ativista Beatriz Silva, presidente da ONG Bendita Adoção e que tem acompanhado o caso de perto.

Internauta publicou arte em homenagem a cão morto (Arte: Geraldo Felício)

Segundo a delegada Silvia Fagundes, da Delegacia do Meio Ambiente, a gerência da unidade do Carrefour de Osasco já foi ouvida e a versão de atropelamento não foi mencionada. Outros funcionários serão chamados a depor, inclusive o segurança apontado como responsável por agredir o cachorro. De acordo com Silvia, imagens da loja e da região devem ajudar a solucionar o caso. Ela considera, entretanto, que ainda é cedo para apontar responsabilidades.

O delegado Bruno esteve no supermercado no último final de semana. Ele conta ter ouvido quatro pessoas, sendo que uma delas disse ter presenciado as agressões. A testemunha também deve ser chamada para depor.

Por meio de nota, divulgada nesta segunda-feira (3), o Carrefour afirmou repudiar qualquer tipo de maus-tratos contra animais. Anteriormente, a empresa já havia dito que tinha afastado, até o final da investigação, a equipe responsável pela segurança no dia em que o animal foi encontrado ferido.

O supermercado disse que, segundo apuração preliminar, o cachorro circulava há dias pelo estacionamento do local e o CCZ foi acionado “por diversas vezes” para realizar o resgate. No dia em que o animal foi resgatado gravemente ferido, ainda segundo o Carrefour, clientes se queixaram sobre a presença do cachorro e um funcionário de empresa terceirizada tentou afastá-lo, o que “pode ter ocasionado um ferimento na pata do animal”.

Ao chegar no local, a equipe do CCZ usou um enforcador para imobilizar o cão. Momento no qual, segundo o supermercado, o cachorro desfaleceu. “Estamos colaborando com as autoridades, disponibilizamos todas as informações e imagens para que o fato seja solucionado”, diz a nota.

Internautas têm compartilhado imagem em repúdio ao caso (Foto: Redes Sociais)

A Prefeitura de Osasco também se posicionou, afirmando que o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado no dia 29 para socorrer um cachorro, “possivelmente vítima de atropelamento, no estacionamento do hipermercado”. Nota da administração municipal informou que o departamento recebeu a denúncia de que o cachorro não havia sido atropelado, mas espancado e envenenado, apenas na noite de sexta-feira (30).

“Novamente, funcionários do Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal estiveram no hipermercado, onde encontraram o delegado Bruno [São Paulo], que colheu depoimentos de testemunhas e registrou boletim de ocorrência na Delegacia do Meio Ambiente para a abertura de inquérito policial”, afirma a nota.

A Prefeitura de Osasco afirmou que irá acompanhar o inquérito e disponibilizar imagens de câmeras de monitoramento da região para colaborar com a investigação.

Maus-tratos a animais é crime e pode ser punido com detenção de três meses a um ano, além de multa.

Petição

Um abaixo-assinado online, que já coletou mais de 270 mil assinaturas, pede justiça para o caso. No texto da petição, endereçada ao Ministério Público e ao delegado Bruno Lima, é solicitado que o responsável pela morte do cão seja preso e que o Carrefour responda judicialmente “por orientar funcionários se livrar do animal de maneira cruel”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA

ATROCIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>