Imagens angustiantes mostram a realidade dos animais criados para indústria de peles


Uma investigação mostrou as péssimas condições em que minks, raposas e cães-guaxinins estão submetidos em fazendas de peles finlandesas.

Fotos tiradas pela Humane Society International (HSI) revelam que os animais são mantidos em pequenas gaiolas e apresentam feridas cruas infectadas por todo o seu corpo. Muitos deles acabam cometendo canibalismo.

Ainda, os animais sofrem com os pés deformados, olhos doentes e lacerações abertas em seus corpos.

A indústria de pelos confina os animais durante toda a vida até serem assassinados. Os minks são mortos por gaseificação e as raposas e os cães-guaxinins são mortos por eletrocussão anal.

O professor veterinário Alastair MacMillan analisou a filmagem e disse que ela “mostra o custo que o isolamento contínuo e o confinamento estão tendo sobre esses animais, muitos estão mostrando sinais de grave sofrimento físico e psicológico”.

“Vários visons e raposas têm feridas abertas e infectadas, e várias raposas têm olhos extremamente doentes que serão extremamente dolorosos”.

“Se isso é o melhor que a indústria de peles pode oferecer aos animais, não é de admirar que tantos designers, varejistas e agora cidades não mais queiram nada a ver com isso”, ele afirma.

Uma raposa teve uma orelha arrancada e sofre de infecção nos olhos (Foto: Humane Society International)
As condições em que os animais vivem não só prejudicam sua saúde física, mas também sua saúde mental, se tornando mais agressivas (Foto: Humane Society International)

No Reino Unido, a criação de peles foi proibida desde 2000, mas a Grã-Bretanha continua a importar peles de uma variedade de espécies, incluindo raposas, coelhos, minks, coiotes, cães-guaxinins e chinchilas.

A instituição de caridade quer que o secretário de Meio Ambiente da Grã-Bretanha, Michael Gove, “pare seu duplo padrão” e pare de importar peles.

Cães guaxinins são empacotados em suas prisões para maximizar a eficiência e o lucro (Foto: Humane Society International)
Uma raposa negra, uma das raças mais raras do Reino Unido, é enjaulada em uma fazenda de peles finlandesa (Foto: Humane Society International)

A diretora do Reino Unido da Humane Society, Claire Bass, ficou tão chocada que realizou um protesto ao se trancar em uma jaula ontem por 24 horas fora do Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais em Londres.

Uma proibição do Reino Unido seguiria os passos de ação semelhante em West Hollywood, Berkley e San Francisco. Desde que a proibição entrou em vigor em 2003, eles importaram cerca de 700 milhões de libras de pele, incluindo 14 milhões de libras da Finlândia.

Um mink aparece com uma ferida aberta no nariz (Foto: Humane Society International)
Um mink aparece com sangue e vermelhidão no rosto (Foto: Humane Society International)

As fazendas finlandesas são os maiores produtores de peles de raposa na Europa, onde cerca de 2,5 milhões de raposas são criadas e eletrocutadas todos os anos para o comércio global de peles.

Outros exportadores incluem Itália, França, Polônia, China e Rússia, onde as condições nas fazendas de peles são tão ruins ou até piores.

A raposa à esquerda parece ter uma ferida no flanco direito, curvando-se em submissão a outra raposa (Foto: Humane Society International)
Um mink aparece com machucados e sua carne exposta e ensanguentada (Foto: Humane Society International)

Ms Bass disse: “Vendo em primeira mão estes animais mentalmente feridos em fazendas de peles e até mesmo levados ao canibalismo foi totalmente de partir o coração”.

“Em suas minúsculas gaiolas estéreis, esses animais têm qualidade zero de vida, eles simplesmente existem como sombras dos animais selvagens que deveriam ser”.

“É repugnante que o comércio de peles ainda tente justificar esse flagrante sofrimento animal, e esperamos que nossa investigação encoraje os designers que ainda usam essa pele a enxergar através da farsa do chamado ‘pêlo de bem-estar social'”.

Uma raposa é encontrada com a cauda machucada e sem pelos (Foto: Humane Society International)
Os animais da fazenda estão confinados em minúsculos espaços (Foto: Humane Society International)

Um ativista dos direitos animais finlandeses, Oikeutta Elaimille, que acompanhou a HSI nas visitas à fazenda de peles, disse: “Tragicamente, o que vimos nessas fazendas está longe de ser incomum”.

“Eu visitei mais de cem fazendas de peles e o sofrimento dos animais tem sido óbvio em todas as viagens. Cada vez mais países estão proibindo a criação de peles e o apoio do governo finlandês está cada vez mais isolado e desatualizado”.

Em julho, o Comitê de Meio Ambiente de Alimentos e Assuntos Rurais (EFRA) publicou um relatório sobre seu inquérito sobre o comércio de pele no Reino Unido, incluindo a recomendação de que o governo realize uma consulta pública sobre a proibição da venda de peles de animais no Reino Unido.

Outro animal é visto machucado devido a comportamentos agressivos de seus companheiros (Foto: Humane Society International)
Uma raposa branca jovem sofreu ferimentos catastróficos no olho esquerdo (Foto: Humane Society International)

Há mais de 12 mil minks na fazenda em Ostrobótnia e 2 mil raposas e Finnraccoons na fazenda na Ostrobótnia do Sul.

Um relatório recente do Daily Mail descobriu que muitas lojas do Reino Unido, incluindo a TK Maxx e a Amazon, estavam vendendo peles de verdade – como raposa e cachorro-guaxinim – como peles artificiais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CATIVO EM ZOO

CRIME AMBIENTAL

RESPONSABILIZAÇÃO

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

ESCRAVIDÃO

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>